No AC, alunos protestam para pressionar por buscas a professor

professorAlunos da escola de ensino médio Professor Flodoardo Cabral realizaram uma manifestação na quarta-feira (29) em frente à Delegacia Geral de Cruzeiro do Sul (AC) pedindo que a Polícia Civil inicie as buscas pelo professor de físia e história, Jairo Marques do Nascimento, de 35 anos, que desapareceu na terça-feira (28), após sair de uma agência bancária do município.

Segundo outro professor da escola, Aldemir Maciel, que também se uniu aos estudantes na manifestação, Jairo encontrava-se em um carro modelo Gol de cor preta quando foi visto pela última vez em um posto de gasolina. Em um levantamento feito pela família na agência bancária, o professor chegou a abastecer o veículo em três postos diferentes do município após sair do banco, às 11h, às 11h05 e 11h50. Aldemir Maciel explicou que as buscas só poderiam iniciar após 48 horas de desaparecimento, mas a escola pede uma agilidade.

”O professor Jairo está há menos de um ano na escola, mas tem o carinho de todos e a maior prova é esta mobilização. Uma manifestação pacífica, onde queremos que haja urgência por parte da Polícia Civil. Toda comunidade realmente quer que ele apareça e que a polícia vá atrás”, diz Aldemir.
A estudante Jéssica França, junto com outros estudantes, carregaram cartazes e pediram a mobilização da Polícia Civil.

“Nós, acompanhando a família, vemos que não pode ficar como está. Mobilizamos e viemos até aqui para ter uma resposta sobre o problema, pois não podemos esperar 48 horas, pois nosso professor pode não saber quem ele é, o que está fazendo. Ele é um ótimo professor, sempre muito calmo, sorridente, um ótimo profissional mesmo”, conta.

De acordo com a esposa do professor desaparecido, Maria José Ferreira do Nascimento, Jairo havia manifestado, há dez anos, a última crise de perda de memória, ficando desaparecido por um dia e uma noite, sendo encontrado em Rio Branco (AC). Segundo ela, o marido passou por consulta médica na época e tomou um medicamento durante cinco meses para o transtorno, mas atualmente não fazia tratamento.

“A última vez que ele desapareceu foi há 10 anos e encontramos ele em Rio Branco, após um dia e uma noite desaparecido. Ele já tinha perdido a memória outras vezes e desaparecido, mas foi coisa rápida. Ele fica normal quando isso acontece, mas não sabe o que ele faz, quem ele é e não sabe o que está fazendo”, relata.

O delegado responsável pela investigação, Elton Futigame explicou que outros órgãos de segurança como bombeiros e Polícia Militar também já foram acionados em busca do professor e o trabalho está acontecendo.

“A Polícia Civil tomou as medidas cabíveis, oficializou outros órgão de segurança, alertando inclusive, dentro do estado e também fazendo diligências e um trabalho de inteligência, no sentido de tentar localizar o Jairo”, explica o delegado.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA