Amapaenses terão que emitir novo documento para entrar na Guiana

fronteiraA partir de 2 de fevereiro, moradores de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, terão que entrar com pedido de expedição de um novo documento para poder transitar em Saint-Georges, cidade na divisa entre o Amapá e Guiana Francesa. Um acordo entre autoridades do Brasil e da França resultou na exigência da carta transfronteiriça, autorização dada aos cidadãos oiapoquenses para poderem entrar em território francês. Até a data de validade da medida, o trânsito de pessoas por apenas um dia continua livre entre as duas cidades.

O documento permite que o morador de Oiapoque possa circular por um dia em Saint-Georges. A autorização, no entanto, será emitida apenas aos habitantes com mais de um ano na cidade, no extremo Norte do Amapá. A mesma regra será adotada às pessoas da cidade francesa em visitas a Oiapoque.

A medida desagradou os comerciantes, que tentam viabilizar o apoio da bancada federal do estado amapaense para revisão do acordo, em Brasília.

O presidente da Associação Comercial de Oiapoque (Acoe) Joacyr Rabelo diz que a carta transfronteiriça afetará a economia local porque os consumidores mais rentáveis de Oiapoque são turistas franceses que utilizam o município amapaense como entrada em território brasileiro.

“Nossos compradores não são os moradores de Saint-Georges, mas os turistas que usam esse percurso e não tem um ano habitando a cidade francesa, algo que impossibilita emitir a carta”, explicou.

O mesmo efeito teria o comércio de Saint-Georges, que tem os brasileiros em trânsito como os maiores consumidores, segundo a Acoe. Para retirar a carta transfronteiriça para Guiana Francesa, a pessoa deve morar ao menos um ano em Oiapoque, com apresentação de comprovante de residência; e estar em dia com a Justiça Eleitoral. O documento é emitido pela Polícia Francesa. Em caso de falta de cumprimento dos critérios, o brasileiro poderá entrar em território francês somente com o visto.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA