Aplicativo do DNIT monitora rodovias federais

aplicativoO Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) lançou no final de 2014 um aplicativo para smartphones e tablets para facilitar o contato com todos que trafegam pelas rodovias do país: é o DNIT Móvel.

Trata-se de um novo serviço que tem como objetivos principais registrar com maior precisão os problemas existentes nas rodovias federais, sem a necessidade de intermediários – como o telemarketing – e classificar estatisticamente as ocorrências e, tendo a localização exata, acionar com rapidez a empresa responsável pela manutenção do referido trecho.

“Isso dá mais eficiência ao uso dos recursos públicos e torna as estradas federais mais seguras”, analisa o diretor de Planejamento e Pesquisa do DNIT, Adailton Cardoso Dias.

O novo sistema foi desenvolvido por técnicos do próprio DNIT e para que atinja os objetivos propostos conta direta e efetivamente com a colaboração dos motoristas em trânsito pelas BRs. Ou seja, quem rodar por essas estradas pode se comunicar, em tempo real, com o Dnit, informando sobre os problemas da malha viária que dificultam e provocam acidentes graves, tais como: buracos, quedas de barreiras, animais na pista – entre outros.

De acordo com a Ascom, em apenas um mês de instalação o DNIT Móvel já registrou mais de 10 mil acessos em todo o Brasil. Essas informações contribuem para a criação de um banco de dados que ajudarão a melhorar o fluxo nas vias de muito trânsito; fornecem elementos para avaliar o trabalho das empresas contratadas pelos reparos e preservação das rodovias federais.

COMO USAR O APLICATIVO

De acordo com a Assessoria de Comunicação nacional não há complicação para acessar o DNIT Móvel. O primeiro passo é fazer o download gratuito do programa através do Google Play.

Com o aplicativo devidamente instalado, o motorista já pode pegar a estrada e caso observe algum problema na rodovia, basta estacionar o carro e iniciar o processo. Após enviar a informação – caso o motorista queira uma resposta – é necessário que ele faça um cadastro.

Após abrir o programa aparecerá um mapa com a localização do GPS. Antes de iniciar o processo, uma mensagem de alerta aparecerá na tela: ‘Você é o condutor?’. Em seguida, o programa chama atenção para que o veículo esteja estacionado. ‘Você só poderá informar uma ocorrência se não estiver dirigindo’.

“Não é recomendado o uso de celular enquanto se conduz o veículo”. Após essa confirmação, a tela do aplicativo disponibiliza um menu (em formas de ícones ou listagem –, a informação do GPS), a possibilidade de anexar fotos e os detalhamentos da ocorrência.

O detalhamento será avaliado pela ouvidoria. Caso não tenha o sinal de internet e nem de GPS é necessário informar o Estado, o número da rodovia e o quilômetro. O DNIT Móvel guarda os dados e envia assim que a comunicação seja restabelecida.

O DNIT Móvel está disponível para o sistema IOS e Android. Para fazer o download, basta o interessado acessar a Apple Store ou a Google Play. Como funciona? Para isso, basta o usuário parar o carro e iniciar o processo.

O programa permite que a ocorrência seja feita de forma anônima. Sem a necessidade de dar um telefonema e nem ser atendido por um telemarketing, o programa envia o registro da ocorrência direto ao banco de dados do DNIT. A localização exata da ocorrência é marcada por GPS.
Com isso, pode-se mapear os problemas da malha rodoviária federal, atualizando os dados sobre as condições das estradas. Além disso, as informações permitem que os reparos nas federais sejam feitos mais rapidamente, proporcionando mais segurança para os usuários.

SERVIÇO

Pesquisa elaborada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) aponta que praticamente a metade (49,9%) do pavimento das rodovias brasileiras apresenta algum tipo de deficiência, sendo classificado pela Pesquisa CNT de Rodovias 2014 como regular, ruim ou péssimo, por apresentar buracos, trincas, afundamentos, ondulações, entre outros problemas. Em relação à superfície do pavimento, 44,7% da extensão pesquisada está desgastada. Esta edição avaliou 98.475 km, que correspondem a toda a malha federal pavimentada e aos principais trechos estaduais. Houve um acréscimo de 1.761 km (1,8%) em relação a 2013. Esses dados foram registrados em 30 dias de coleta, no período de 19 de maio a 17 de junho.

Nesse último ano houve aumento no número de pontos críticos, passando de 250 (em 2013) para 289 (em 2014). Quedas de barreira, pontes caídas, erosões na pista e buracos grandes. O fato das rodovias possuírem cerca de 50% do pavimento regular, ruim ou péssimo representa um aumento no consumo de combustível dos veículos, tendo reflexo direto nos custos e nas emissões de poluentes. O DNIT Móvel pode contribuir para mudar a realidade das rodovias federais (?).

Fonte: DIÁRIO DA AMAZÔNIA

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA