Atualização do Projeto Malha Viária é debatida em Porto Velho

Abertura-reuniaoO Projeto Malha Viária de Rondônia deverá ser atualizado neste ano, trazendo os limites das estradas, incluindo as novas vias terrestres do Estado, com detalhamento e precisão em coordenadas geográficas de latitude e longitude. Em reunião no Sipam (Sistema de Proteção da Amazônia), Centro Regional de Porto Velho (CR-PV), entidades federais e estaduais foram chamadas para intercâmbio de informações, infraestrutura e recursos humanos de apoio às atividades de mapeamento de estradas e rodovias. A última atualização do projeto ocorreu em 2010.

Iniciado há 11 anos, sob a coordenação do então técnico da Divisão de Sistematização de Informações do CR-PV, Carlos Alex Brunholi, o projeto desenvolvido pelo Sipam foi aumentando a sua base de participantes ao longo dos anos, uma vez que vários órgãos passaram a utilizar a base cartográfica digital de Rondônia, com o mapeamento georreferenciado, devido à precisão dos dados inseridos. O produto inclui pontos e locais de referência (pontes, igrejas, estradas vicinais, entre outros), buscando assim um levantamento preciso de toda a malha estadual.

A proposta para 2015 conta com a participação de novas entidades no levantamento de campo, havendo perspectivas de também se incluir o mapeamento de áreas de conservação ambiental e indígenas. Além de substituir o GPS Topográfico pelo Navegador com câmera, o que ampliará o número de instituições com recursos tecnológicos e humanos capacitados a poderem contribuir no levantamento.

Participaram da reunião no Sipam representantes do Exército (5º BEC e 17ª Brigada de Infantaria de Selva), AROM (Associação Rondoniense de Municípios), Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, CPRM (Serviço Geológico do Brasil), DER-RO (Departamento de Estradas de Rodagens e Transportes), DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Emater-RO (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural), Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Sepog (Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão) e Sedam (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental).

Ao fazer um resgate histórico do projeto, o Gerente do CR-PV, José Neumar da Silveira, enfatizou que foi “um trabalho gigantesco, usado nas missões que participamos ou de nossos parceiros. Até hoje, foram mais de 46 mil km catalogados nos 52 municípios rondonienses, em 31 missões realizadas, sendo o primeiro levantamento desta natureza realizado na Região Norte”.

Segundo o Engenheiro da Sepog, Fábio Folly, as informações organizadas pelo Sipam são de extrema importância para diversas áreas do Governo do Estado, do planejamento a outras políticas públicas. “O Estado tem total interesse e dependência de ter essa malha viária atualizada. A segurança pública utiliza diariamente, na perícia, inclusive em sobrevoos aéreos, no resgate de pessoas. Utilizamos também em relação ao meio ambiente, no mapeamento das áreas de proteção e fiscalização, inclusive, de degradação da natureza”.

Capacitações – Duas capacitações foram propostas pelo IBGE para serem aplicadas aos membros parceiros no projeto Malha Viária. O primeiro ligado ao Centro de Referência em Nomes Geográficos, em que o representante do IBGE-RJ, Marcelo Maranhão, diz também necessitar de alimentação constante de informações para o banco de dados do órgão, quanto esclarecer dúvidas para o trabalho de coleta em campo. E o de processamento específico de GPS, em que o IBGE traria a metodologia desenvolvida nacionalmente para repasse em Rondônia.

Servindo de base para maior conhecimento sobre o espaço geográfico e subsidiando as instituições públicas no planejamento de suas ações, o projeto poderá ser replicado em outras regiões do País, conforme explica Marcelo Maranhão. “O IBGE sistematicamente trabalha com os estados na elaboração do mapeamento estadual, que servem para o Instituto para afinar e melhorar nossas pesquisas estatísticas, sensitárias, agropecuárias, PNAD Contínua, POF e outras. A ideia de nossa participação aqui e nos outros estados é sempre trazer experiência do IBGE e ajudar no aprimoramento do trabalho a ser feito”.

Para esta edição do projeto foram estabelecidas quatro fases: capacitação, preparação, trabalho de campo e processamento dos dados/difusão. “Avaliamos que a reunião foi extremamente positiva, porque o propósito era resgatar o projeto de mapeamento do Estado de Rondônia e nós fizemos alguns encaminhamentos que irão gerar resultados. Isso será bom para todos os órgãos, da esfera federal, estadual e municipal. Essa base que está se propondo a fazer a atualização é extremamente importante e será um ganho para todos os segmentos do setor público”, conclui o Sargento da 17ª Brigada, Danielson Santos, que está a frente do Projeto Malha Viária no Sipam.

Fonte: Assessoria 

Deixe o seu comentário