Com UMC interditada pelo MP, Prefeitura ‘invade’ hospital São Daniel Comboni durante madrugada

invasaoEm uma operação inusitada e inesperada, a prefeitura de Cacoal realizou a transferência de pacientes e alguns móveis dos Hospitais Unidade Mista e Materno Infantil para as dependências do Hospital São Daniel Comboni durante a madrugada deste domingo (28).

Para tal operação, o prefeito assinou um decreto (5.378/PMC/2014) que até então não era de conhecimento de todos, pois foi lançado no Portal da Transparência da Prefeitura às 00h00 deste sábado (27), algo que já chamou a atenção da imprensa local que sempre acompanha as publicações do portal e na noite de sábado não viram tal publicação. Este decreto requisita o uso parcial do Hospital São Daniel Comboni (seis pavilhões), sendo o laboratório/centro cirúrgico, pronto socorro/ambulatório, almoxarifado/enfermaria, administração/UTI, cozinha/lavanderia, assim como os móveis, benfeitorias, imóvel, equipamentos e demais bens necessários para o alojamento das unidades hospitalares mencionadas.

Um fato interessante do tal decreto de requisição das instalações do HSDC é que, diferente dos outros decretos da prefeitura que são assinados pelo prefeito e procurador do município, este é só assinado pelo prefeito e o secretário de Saúde, Fabiano Santos Amorin.

Este decreto pegou a todos de surpresa. A Assdaco, administradora do HSDC se diz perplexa com tal situação. “Acordei com um telefonema me avisando que estavam trazendo os hospitais para o HSDC”, disse Claudemir Borgh, presidente da Assdaco, que emocionado afirmou que a Assdaco ainda irá se reunir para ver as possibilidades jurídicas para possam dar mais segurança aos pacientes oncológicos.

Anteriormente a este decreto que pasmou a todos, o prefeito assinou outro, o de número 5.365/PMC/2014, que decretava o estado de perigo iminente na área da saúde de Cacoal.

“Este ato foi realizado à surdina. O prefeito visitou o hospital hoje de tarde e agora de madrugada faz isso”, disse Salin Yunes, membro da Assdaco.

Uma das principais “brigas” do prefeito nos últimos meses, foi a respeito da transferência dos hospitais para o HSDC. O Ministério Público deu o prazo de até dia 03 Novembro para efetuar a interdição do UMC e HMMI e este foi citado como sendo um dos principais fatores para a invasão por força do decreto.

A administradora do HSDC, Cleane Possmoser, disse que os pacientes em tratamento de câncer ficaram assustados com a movimentação. “Eles ficaram assustados com o barulho e o “vai e vem” de pessoas, esperamos que isso não afete nossos pacientes, pois eles têm saúde frágil devido o tratamento contra o câncer que recebem aqui”, – disse Cleane.

O promotor Dante Lamartine esteve no local e afirmou que neste primeiro momento, o Ministério Público só pode analisar o fato para detectar alguma irregularidade e dar prosseguimento nos procedimentos.

Uma das dificuldades apontadas pela Assdaco, é que eles não poderão tomar conta das alas tomadas. “Estamos realizando um bingo solidário, temos o show com o Moacir Franco e não sabemos o que fazer depois disso. Tantos projetos que agora estão parados. Isso é triste para Cacoal”, disse Salim que complementa: “Temos aqui investidos 1,5 Milhões do governo do estado para o tratamento do Câncer”. Corremos o risco de perder tudo isso. Alguns dizem que o hospital é do povo, que trabalharam muito por este hospital. Nós também pensamos assim. É um hospital que atende Rondônia e até parte do Mato Grosso. Hospital que nasceu para ser um hospital de tratamento do câncer e salvar vidas.

Não se pode tomar este tipo de atitude. Isso pode colocar em risco os pacientes oncológicos e também os pacientes do Unidade Mista. Falo como médico e como cidadão. Segunda-feira (29), pacientes chegarão para serem atendidos e nem podemos tomar conta de nossas responsabilidades quanto hospital de tratamento do câncer”.

A imprensa foi expulsa pelos funcionários da Prefeitura que acompanhava em plena madrugada toda transferência. A todo o momento chegavam pacientes que foram acordados para irem ao HSDC.

A redação do Tribuna Popular esteve no Unidade Mista para verificar a situação. Os funcionários que lá estavam não sabiam de muitas informações, mas a todo instante as ambulância chegavam e saiam do local.

O secretário de Saúde, Fabiano, esteve no HSDC e prometeu dar entrevista para imprensa, mas saiu da unidade sem dar esclarecimentos. Após constatar isso, a imprensa tentou durante toda a madrugada falar com o secretário que misteriosamente saiu sem ser visto e não atendeu mais o celular. Ninguém da prefeitura quis dar um depoimento para a imprensa ou maiores satisfações.

A assessoria de comunicação da Prefeitura afirmou na manha de domingo (28), que o Prefeito Franco irá realizar um pronunciamento no gabinete as 10h00 desta segunda (29).

Fonte: Tribuna Popular

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA