Em RR, plano emergencial é realizado para erradicar a mosca da carambola

mosca-carambolaAs atenções do Ministério da Agricultura estão voltadas para a região Sul de Roraima, onde foi registrada a presença da praga denominada mosca da carambola. O registro foi feito na propriedade de Mizael de Oliveira, localizada na Vila Martins Pereira, a 10 quilômetros da sede do município de Rorainópolis. De acordo com coordenadora nacional de erradicação da mosca da carambola Maria Júlia, ações plano emergencial de combate estão sendo realizadas na região.

A presença da praga foi registrada em setembro deste ano, após monitoramento de rotina realizado a cada 15 dias por equipes do Ministério da Agricultura. “A situação foi de espanto, pois sabemos que essa praga trava a produção e a escoação de produtos produzidos pelos colonos. Então a gente imagina uma dificuldade sendo gerada para os produtores”, disse Oliveira.

Após 48 horas da constatação, equipes de educação sanitária colocaram em prátia a ação do plano emergencial para erradicar a praga em Roraima. Atualmente existem 1.628 armadilhas para a captura das moscas espalhadas por todo o estado.

“Complementamos o nosso plano de ação, pois temos que entrar com ele até 48 horas, para conter a praga e não deixar dispersar para outros locais. As ações foram eficientes, pois conseguimos conter a praga, estando somente em Martins Pereira”, disse a coordenadora Maria Júlia, acrescentando que são realizadas pulverizações e coleta de frutos para combater a praga.

Além disso, as equipes visitam e orientam os moradores sobre os cuidados necessários para evitar a proliferação da praga. A mosca da carambola é considerada uma das piores pragas da fruticultura, capaz de destruir plantações inteiras.

As principais frutas hospedeiras são: carambola, manga, goiaba, amendoeira, jaca, taberebá, laranja, abiu, jambo, cajú, tomate, tangerina e maçaramduba. A saída dessas frutas para qualquer uma das áreas livres da praga, está proibida. “Não podemos transportar as frutas hospedeiras de Martins Pereira para nenhum lugar de Roraima, pois pode estar com larvas e essas larvas podem produzir outros focos em outras regiões. Então está vetado o transporte e a comercialização”, orientou Maria Júlia.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA