Ensino e alfabetização no Brasil são um desastre, diz ministro da Educação

Em discurso, Abraham Weintraub destacou o último resultado do Pisa

: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

“O ensino e a alfabetização no Brasil são um desastre”. A frase é do ministro da Educação (MEC), Abraham Weintraub, que participou, na manhã desta terça-feira (22/10,) da abertura da Conferência Nacional de Alfabetização Baseada em Evidências (Conabe), que reúne especialistas brasileiros e estrangeiros até sexta-feira (25/10).

Em discurso, Weintraub destacou o último resultado do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), realizado em 2015. No último Pisa, realizado em Brasil ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática na prova feita em 70 países.
“Talve se os ministros anteriores, os governos anteriores, se preocupassem menos em doutrinar e se preocupassem mais em ensinar a ler, escrever e fazer contas, talvez o Brasil não estivesse em último lugar da América do Sul. Ficamos atras de Colômbia, de Chile, Argentina, Uruguai”, afirmou.
A Conabe faz parte das ações de implementação da Política Nacional de Alfabetização (PNA), instituída em abril pelo governo federal. A ideia é debater boas práticas e após o evento reunir as discussões e propostas no Relatório Nacional de Alfabetização Baseada em Evidências (Renabe), que será publicado em abril de 2020.
O ministro da Educação acredita que os resultados já poderão ser vistos no ano que vem. “Assim que as crianças voltarem às aulas, elas vão ter uma surpresa”, disse. Weintraub também destacou a importância da PNA, que, segundo ele, pode “tirar o Brasil das trevas”.
“O que a gente vai deixar de legado não vai ser o Future-se, não vai ser a escola cívico-militar, não vai ser a carteirinha digital. O maior legado do governo Bolsonaro é o ponto de inflexão onde o filho do pobre vai começar a ter contato com o ensino igual a classe média e o rico. A abordagem que essa criança vai ter na escola será científica. Vai poder ser alfabetiza com uma técnica adequada e não doutrinada por dogmas de esquerda totalitários”, completou.
O secretario de Alfabetização, Carlos Francisco Nadalim, classificou a PNA como uma política de Estado que “transcende governos”. “PNA se diferencia porque se apoia em evidências científicas para analisar a aprendizagem da leitura e da escrita”, disse.

Educação básica 

O Conabe tem como tema “A Política Nacional de Alfabetização e o estado da arte das pesquisas sobre alfabetização, literacia e numeracia” e está sendo realizado na sede da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Anderson Ribeiro Correia, presidente da Capes, ressaltou que a PNA é a principal prioridade do MEC. “A educação básica é o insumo da educação superior. Isso é essencial pra gente. É um orgulho para Capes poder sediar esse evento”, disse.
Entre os palestrantes estão professores e pesquisadores de diversas regiões do Brasil e do mundo. Entre os nomes estrangeiros estão profissionais de Harvard. Secretários municipais de educação de algumas cidades brasileiras também estarão presentes.
COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA