Escola tem novo caso de hepatite A; laudo atesta contaminação na água

laudoUm laudo emitido pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém, no Pará, do dia 5 de agosto de 2014, confirmou que uma das amostras de água coletadas na Escola Estadual Lauro Chaves, no bairro Muca, Zona Sul de Macapá, está contaminada com o vírus da hepatite A. A coleta do material foi feita em quatro locais de fluxo hídrico da escola. Na terça-feira (18), mais um caso confirmado da doença em um aluno, foi confirmado.

Mesmo com uma amostra positiva, a escola não confirmou que o contágio aconteceu dentro da instituição, onde os alunos utilizam a água que é coletada de um poço. O G1 teve acesso a um laudo que atesta a contaminação pelo vírus na cozinha da escola, através da torneira do filtro onde é retirada a água para a produção da merenda servida aos 974 alunos da Lauro Chaves.

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) informou em junho que as mesmas amostras foram analisadas pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Amapá (Lacen), e apontadas como negativas. A amostra enviada para o instituto era a contraprova.

Os resultados do laudo foram enviados à Vigilância Ambiental que emitiu um parecer técnico. O engenheiro sanitarista Jimmy Cordeiro, que assinou o documento, informou que a escola foi notificada em agosto e que houve a recomendação para que as alterações fossem feitas para garantir a qualidade da água conforme preconiza o Ministério da Saúde.

“Fizemos toda a coleta do material com o apoio do Lacen para o envio das amostras ao Evandro Chagas. Com os resultados, emitimos o parecer e entregamos para a instituição. Além disso, fizemos outro documento para que a coordenação enviasse para escolas estaduais e municipais um alerta sobre a utilização da água sem tratamento através de poços”, explicou Cordeiro.

A reportagem entrou em contato com a Seed que negou ter recebido o laudo assinado pela Vigilância Ambiental confirmando a contaminação da água. Mas, segundo a assessoria de comunicação da Secretaria, os reparos necessários para evitar um novo surto da doença foram feitos, como a troca de bebedouros, telas de proteção na cozinha e a implantação de um filtro na caixa d’água que abastece a escola.

O diretor da escola, Marcelo Dias, informou da ciência do laudo, mas reforçou que a Seed obteve o resultado das análises em agosto e executou os reparos necessários no prédio.

Novo caso

Na terça-feira (18) a escola confirmou mais um caso de hepatite A em um aluno de 12 anos. O caso surge dois meses após o registro da última ocorrência da doença na escola, que desde junho de 2014 teve cerca de 30 estudantes infectados pelo vírus, que causa febre alta, vômitos, diarreia e náuseas.

Por telefone, a mãe do aluno infectado com o vírus, Maria Odete, de 48 anos, contou que o filho passou a se sentir mal mesmo depois dos ajustes feitos na escola.

“Ele sentiu vômito e diarreia, e não conseguiu mais assistir as aulas, fizemos uns exames que comprovaram a doença. Agora ele está em casa ainda, mas não sei quando vou mandar ele de volta para escola”, disse a mãe preocupada. A família mora no bairro Marco Zero, Zona Sul da capital.
O novo caso confirmado e as novas suspeitas serão analisadas pela Vigilância Epidemiológica.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA