Estrada do Belmont continua precária e caminhoneiros reclamam, em RO

estrad-belmQuem precisa trafegar pela estrada do Belmont enfrenta muita lama e buracos, situação que afeta principalmente motoristas que transportam combustíveis e passam diariamente pela região. Eles dizem que a via nunca teve a atenção do poder público, e que os buracos e lama causam prejuízos, pois os caminhões quebram. A estrada, além de alocar diversas empresas na região, dá acesso a zona rural do Belmont, onde moram aproximadamente 200 famílias.

Segundo o Departamento de Estradas e Rodagens de Rondônia (DER), ainda não há projeto para a estrada, e a ordem é dar manutenção até que fique claro se haverá cheia em 2015.

O caminhoneiro Moacir Campos diz que desde a fundação da estrada, nada foi feito para melhorar a trafegabilidade. Segundo ele, diversas manifestações já foram feitas para reivindicar melhorias.

Segundo ele, a estrada já foi fechada várias vezes, mas a única obra feita até o momento é o descarregamento de areia e cascalho para planar a via. “Eu acho um desperdício. Deve ser pior para quem mora lá para dentro, que depende de carro pequeno ou anda quilômetros para pegar ônibus”, pontua.

Caminhoneiro há dois anos, Paulo Freixo garante que a estrada do Belmonte é a pior de todas pelas quais já passou. Na opinião de base, as bases petrolíferas devem mudar de lugar, já que há o receio de que o Rio Madeira tenha uma nova enchente e afete a estrada e as empresas.

José Gomes, que é caminhoneiro há 38 anos, é um dos mais revoltados. “Nós caminhoneiros e tanqueiros achamos que o governo fica a desejar com a gente. É lama, buraco, o caminhão quebra e a manutenção é complicada e cara. Quando chove ninguém pode transitar a pé ou de carro”, enfatiza.

Segundo o DER, se não houver enchente neste ano, a meta é retomar o asfaltamento que havia sido iniciado no ano de 2014, antes da estrada ficar submersa pelo Rio Madeira.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA