Ex-prefeito é solto e comenta condenação: “não devo, mas vou pagar”

Já em casa, após passar todo o feriado de carnaval na Colônia Penal de Vilhena, condenado por crime ambiental, o ex-prefeito Vitório Abrão ligou para o Folha do Sul Online na manhã desta quinta-feira, 07. Após saber da decisão de segunda instância, que reverteu a sentença favorável a ele na justiça de Cerejeiras, Abrão se apresentou voluntariamente para começara cumprir os 6 meses de pena que haviam sido determinados.

Por telefone, o veterano político disse que, embora pretenda cumprir a penalidade que recebeu, continua considerando injusta a condenação por causa da abertura de uma estrada vicinal em 2017. Ele explicou porque alargou um “carreador” que dava acesso ao seu sítio em Pimenteiras e deu outros detalhes do caso.

Segundo Abrão, após o vizinho vender o sítio que ele usava para chegar à sua casa, o novo dono da propriedade pediu que ele não passasse mais por ali. Então, ele protocolou um ofício na Sedam comunicando que alargaria o carreador que já existia e obteve autorização verbal para executar o serviço.

Duas horas após o tratorista contratado começar o trabalho, a Polícia Ambiental, acionada por um vizinho, apareceu no local. O ex-prefeito mostrou o documento e foi autorizado a prosseguir, mas seis meses depois, recebeu intimação para comparecer a uma audiência na justiça em Cerejeiras.

O vilhenense foi absolvido da acusação em primeiro grau, mas o MP recorreu na decisão e o TJ o condenou. “Um absurdo, mas vou cumprir os 30 dias de albergue e os 5 meses no semiaberto. Sei que não devo, mas vou pagar”.

Fonte: Folha do Sul on Line

Deixe o seu comentário