‘Falta de planejamento e gestão’, diz Cremero RO sobre UPA da Zona Sul

UpaOs funcionários da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Sul de Porto Velho têm enfrentado o mau cheiro, esgoto transbordando e quartos repletos de fungo por causa da infiltração. O presidente do Conselho Regional de Medicina (Cremero) de Rondônia, Cleiton Bach, diz que o principal problema é a falta de planejamento e de gestão. Prefeitura diz que problema já foi resolvido.

Segundo relato de funcionários, o problema do esgoto transbordando pelas pias e ralos é antigo mas nos últimos meses piorou, causando risco de infecção a pacientes e funcionários.

Upa1O presidente do Cremero, questionado pelo G1, sobre os problemas da unidade de saúde, relatou que a dificuldade da unidade é a falta de planejamento na construção da UPA.

“O problema do sistema é a falta de planejamento e gestão, o Sistema Único de Saúde é bom, é exemplar, até outros países tentam copiar, o problema é o pouco dinheiro que tem para investir e é mal investido. Por isso vivemos esse caos”, disse Cleiton.

Segundo funcionários que não quiseram se identificar, o problema é antigo e nunca foi resolvido. “Caminhão fossa só vem quando transborda, mas da última vez agravou e tem causado risco de infecção aos pacientes e funcionários da unidade. Quando transborda dá até para ver o sangue voltando pela pia”.

Bach ressalta que os problemas poderiam ser resolvidos com planejamento. “A fossa não foi planejada, porque o cano é muito fino para unidade. São coisas básicas, que se tivesse um pouquinho de planejamento, seria bem investido. Agora tem que ter uma reforma para poder atender”, disse o presidente.

Ao G1, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) disse que tem conhecimento do problema e que já foi resolvido na última quinta-feira (19). “Realmente os problemas vinham acontecendo, mas, na quinta, uma empresa especializada fez o trabalho de desentupimento e dedetização do esgoto. Portanto, o problema foi solucionado”, disse a assessoria.

“Infelizmente, no momento, devido aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal, ainda não há recursos para reformas estruturais”, complementou a assessoria da Semusa, sobre a infiltração e o mofo presente na unidade.

Upa2Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA