FVS-AM confirma o primeiro caso de febre chikungunya em Manaus

aedesA Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) informa nesta segunda-feira (03) que foi confirmado o primeiro caso de infecção pelo vírus chikungunya em Manaus.

Segundo o Instituto Evandro Chagas (IEC) o resultado do exame de uma mulher venezuelana foi positivo. Outro caso investigado de um homem colombiano deu resultado negativo. Ambos são estrangeiros e foram identificados no atendimento ambulatorial da Fundação de Medicina Tropical.

De acordo com o diretor-presidente da FVS-AM, Bernardino Albuquerque, até o momento não tem o vírus no estado, mas ainda assim, é preciso reforçar a atenção porque temos a circulação do mosquito. “A introdução do vírus é real, a paciente retornou para seu país de origem, na última quinta-feira (30), mesmo antes da liberação do resultado laboratorial, nós realizamos em conjunto com Secretaria Municipal de Saúde (Semsa-Manaus), todas as medidas necessárias inclusive o bloqueio sanitário para combater o vetor “, ressaltou.

Infecção

Albuquerque explica que a infecção pelo vírus chikungunya provoca sintomas parecidos com os da dengue, no entanto, as dores articulares são mais intensas. “O vírus pode ser transmitido pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, e também pelo mosquito Aedes albopictus, ambos encontrados no Amazonas. Nesse momento, é de suma importância a adesão da população, para checagem semanal de 10 minutos para evitar os criadouros do mosquito”, disse e acrescenta que a melhor formar de combater a doença é diminuir a comunidade de vetores.

Ele acrescentou que a doença pode passar da fase aguda para fase crônica. “Alguns pacientes são mais propensos a desencadearem a forma mais grave, tais como, idosos, crianças menores de um ano, grávidas e portadores de doenças crônicas, por isso é “, esclareceu.

Sobre Chikungunya:

Até o dia 25 de outubro, o Ministério da Saúde registrou 828 casos de Febre Chikungunya no Brasil, sendo 155 confirmados por critério laboratorial e 673 por critério clínico-epidemiológico.

Do total, são 39 casos importados de pessoas que viajaram para países com transmissão da doença, como República Dominicana, Haiti, Venezuela, Ilhas do Caribe e Guiana Francesa.

Fonte: Radar 10

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA