Gestão democrática melhora aprendizado

escolaQuando se pensa em escola, o primeiro personagem é o professor, no entanto, o diretor de cada estabelecimento de ensino se torna essencial. Anteriormente, três nomes eram levados para o governador, dos quais ele escolhia um para gerenciar a escola; atualmente, a comunidade os escolhe, em eleição direta.

Amparado pela Constituição Federal, esse modelo surge em Rondônia na condição de indicador de crescimento e melhoria no aprendizado. “Rondônia começou esse modelo a partir do atual governo Estadual”, lembra a coordenadora da Gestão Democrática da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Elizabete Matia de Siqueira. “No primeiro ano de governo, em 2011, foi possível atender a um grande anseio da classe trabalhadora da educação e de toda a sociedade, quando fizemos eleição para diretores de escolas estaduais pela primeira vez, com a participação da comunidade”.

Novo modelo

Anteriormente, o apadrinhamento de políticos favorecia a indicação de eleitores. O novo modelo possibilitou à comunidade escolher diretamente o diretor da escola. “Então, há uma grande diferença, e isso é notado por pais, alunos, professores e funcionários”, assinala a coordenadora.

Para Elizabete, o funcionamento da Gestão Democrática também responde ao que preconiza a legislação vigente e aos antigos anseios da comunidade escolar e da sociedade civil. “Desde 2011, a Secretaria de Educação instituiu conselhos escolares e eleição de diretores e vice- diretores nas unidades de ensino da rede pública estadual”.

Não há limites para concorrer

A Gestão Democrática estabelece que a cada três anos sejam eleitos novos diretores de estabelecimentos de ensino. Isso ocorrerá até o final deste ano, explica a coordenadora Elizabete Matia de Siqueira. “Neste ano, muitos educadores querem concorrer às eleições e buscam conhecimento das leis. Não há limite de professores que queiram disputar, mas tem que compor a chapa de diretor e vice”, resume.

Ela também adverte que o interessado em disputar a aprovação da comunidade, pais, alunos e professores têm que atender aos critérios estabelecidos: ser professor do quadro efetivo estadual, ser lotado na própria escola há pelo menos um ano da data em que ocorre o pleito, com direito à reeleição apenas uma vez.

Exemplos

Elizabete alerta para escolhas corretas, mencionando exemplos de diretores eleitos e posteriormente afastados do cargo devido a problemas administrativos e demais irregularidades que resultam na perda de mandato.

Prêmio melhora motivação

Servindo de estímulo à melhoria do desempenho das escolas e ao sucesso de aprendizagem dos alunos, o Prêmio Gestão Escolar, de caráter nacional, foi criado em 1998 pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), em parceria com entidades que apoiam o incentivo da educação qualitativa no Brasil.

Diversos gestores tiveram o privilégio de participar dessa atividade em Rondônia, obtendo a valorização em busca do dinamismo de cada escola.

Estimula que as escolas públicas mostrem o desenvolvimento de suas gestões, além de incentivar o processo de melhoria contínua na escola, pela elaboração de planos de ações, tendo como base uma autoavaliação.

Rondônia tem hoje cerca de 70% das escolas da rede estadual participando dessa avaliação. A cada ano, um gestor participa de intercâmbio de diretores escolares com os Estados Unidos. A Embaixada Americana patrocina a viagem desse diretor para os aos EUA e lá, podem trocar experiências positivas.

Grêmio estudantil ganha importância

Esquecido há vários anos, com gestões arcaicas, grêmios estudantis voltam a ter importância com a Lei da Gestão Democrática, voltando a ter participação ativa e importante no desenvolvimento escolar.

Para a coordenadora Elizabete de Siqueira, esse ressurgimento deixa claro que um dos principais objetivos do grêmio é contribuir para aumentar a participação dos alunos nas atividades de sua instituição de ensino.

O grêmio organiza palestras, projetos e discussões, facilitando a voz ativa. Nisso, atuam pais, funcionários, professores, coordenadores e diretores, na elaboração da programação e da construção das regras e normas, dentro da instituição de ensino.

“O grêmio também tem a função de expor ideias e opiniões dos alunos dentro da instituição de ensino, bem como, participar ativamente da forma de se administrar democraticamente. Ele é a voz dos educandos e precisa andar lado a lado com a Gestão Democrática”, acrescenta.

Exemplo que reflete no ensino

“A comunidade tem participação importante na democracia escolar, contribuindo para a escolha dos gestores e, consequentemente, se aproximando do aprendizado dos alunos” – define a coordenadora da Gestão Democrática da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), Elizabete de Siqueira.

Para Elizabete, as escolas eliminaram “resquícios de uma educação tradicional”. Nesse aspecto, ela assinala, “o diretor era meramente uma peça de indicação de apadrinhados, e isso impossibilitava qualquer identificação com a comunidade e com os alunos”.

Necessária e urgente, essa mudança levou a escola a ser agente de mudança social, constituindo-se o espaço democrático que garante ao educando o direito de usufruir da construção do seu conhecimento. “Ao professor, a educação viabilizou uma gestão atuante, que soube criar propostas alternativas para superação de problemas escolares e, assim, comprometer a todos com qualidade”, assinala.

“Ser premiado é um reconhecimento”

Entusiasmada, a coordenadora comenta o Prêmio Gestão Escolar que mobiliza esforços conjuntos de organizações e instituições em torno de projetos voltados para a melhoria do setor.

Para Elizabete, o prêmio visa valorizar os diretores na busca do dinamismo em cada escola. “Fui uma dessas premiadas. O Prêmio destaca o diretor da escola que fez alto-avaliação, trabalhando lado a lado com a própria comunidade, por isso digo que a escola participante é democrática. Comunidade, pais, conselhos é que garantem se o gestor está realmente gerenciando bem”, diz a coordenadora.

Entre outros municípios, Ji-Paraná, Porto Velho e Vilhena foram avaliados nas gestões pedagógica, participativa, serviços e recursos, resultados, e de pessoas.

“As dimensões da avaliação são gestões pedagógicas com indicadores educacionais. O Prêmio é promovido pelo Conselho Nacional de Secretário de Educação (Consed) que agora é realizado por biênio”, explica Elizabete.

Fonte: Diário da Amazônia

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA