Inflação desacelera a 0,33% em julho; em 12 meses, vai a 4,48%

inflacaoApós disparar em junho por conta dos efeitos da greve dos caminhoneiros, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial no país, desacelerou a 0,33% em julho.

No acumulado de 12 meses, o IPCA ficou em 4,48%, contra alta de 4,39% do mês anterior. O resultado está dentro do limite da meta do governo. No ano, o indicador acumula alta de 2,94%.

Em junho, o IPCA havia ficado em 1,26% e, em julho de 2017, a taxa atingiu 0,24%.

A meta em 2018 é manter a inflação em 4,5% ao ano, mas há uma tolerância de 1,5 ponto para cima e para baixo, ou seja, pode variar entre 3% e 6%.

As informações foram divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (8).

Conta de luz mais cara

Os preços de habitação (1,54%) e transportes (0,49%) foram os que mais contribuíram para a alta do índice e tiveram as maiores variações entre os grupos de produtos e serviços pesquisados, informou o IBGE.

O principal impacto veio da conta de luz, que subiu 5,33%.

Combustíveis tiveram queda

Os preços dos combustíveis registraram queda em julho (-1,80%). A gasolina, que havia subido 5% em junho, caiu 1,01% no mês passado. O etanol passou de alta de 4,22% em junho para queda de 5,48%.

Já o ônibus urbano subiu 1,46%, enquanto o ônibus interestadual ficou 8,70% mais caro.

Alimentos mais baratos

Segundo o IBGE, os preços de alimentos e bebidas tiveram queda de 0,12% em julho, após apresentar, em junho, a maior alta dos últimos 29 meses (2,03%).

“A deflação desse grupo em julho refletiu, além do aumento da oferta de itens alimentícios, o realinhamento de preços após as altas decorrentes da paralisação dos caminhoneiros, no final de maio”, informou o IBGE.

As principais quedas foram:

cebola (-33,50%)
batata-inglesa (-28,14%)
tomate (-27,65%)
frutas (-5,55%)
carnes (-1,27%).

Entre os destaques de alta, estão o leite longa vida (11,99%) e o pão francês (2,22%).

Greve dos caminhoneiros acelerou inflação de junho

Em junho, o IPCA havia acelerado puxado pelos efeitos da greve dos caminhoneiros, que durou 11 dias em maio. Protestos bloquearam rodovias, forçando fazendeiros a abater aves e descartar leite, e causando desabastecimentos de diversos produtos.

Inflação abaixo da meta em 2017

A inflação fechou 2017 em 2,95% e ficou abaixo do limite mínimo da meta do governo pela primeira vez na história. Foi a menor inflação anual desde 1998 (1,65%).

No início deste ano, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, enviou carta ao então ministro Henrique Meirelles dizendo que a meta não havia sido cumprida no ano passado devido à queda nos preços dos alimentos, após safras recordes.

A carta é uma exigência em caso de descumprimento da meta de inflação.

Expectativa em 2018

A expectativa de analistas consultados pelo Banco Central é que a inflação termine 2018 em 4,11%, dentro do limite da meta deste ano.

Com o crescimento de 1% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2017, o país começa a sair do buraco, após a economia encolher 3,5% tanto em 2016 quanto em 2015. Mas a recuperação é lenta e, segundo especialistas, a economia vai demorar pelo menos dois anos para chegar ao nível de antes da crise.

Juros x inflação

Para tentar controlar a inflação, o Banco Central pode usar a taxa de juros. De modo geral, quando a inflação está alta, o BC sobe os juros para reduzir o consumo e forçar os preços a cair. Quando a inflação está baixa, o BC derruba os juros para estimular o consumo.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária do BC decidiu manter a taxa de juros em 6,5% ao ano, menor nível da história (o Copom foi criado em 1996).

Fonte: UOL

Deixe o seu comentário