Lenha na Fogueira – Zé Catraca destaca os ataques a imprensa

Sílvio Santos

PORTO VELHO – Dois eventos importantes foram comemorados no dia de ontem, 1º de junho. O Dia Nacional da Imprensa e o Dia Nacional do Quadrilheiro (dançarino de quadrilha junina).

**********

O Dia Nacional da Imprensa em tempo de Covid 19, ficou difícil de se comemorar, pois atualmente a imprensa brasileira vem sendo vítima de todo tipo de desrespeito em especial, por parte de algumas autoridades constituídas, que já chegaram a taxar nossa imprensa com termos do tipo: “Imprensa de Merda” entre tantas outras baixarias.

Jamais a imprensa brasileira foi tão desconsiderada como nos dias atuais, nem mesmo no tempo da ‘Ditadura’ a imprensa foi tão vilipendiada como tem sido nos dias de hoje.

**********

Naquele tempo censuravam, prendiam jornalistas, empastelavam os jornais e até executavam (Vladimir Herzog), mas, não chamavam a imprensa de “Imprensa de Merda”.

**********

Pior de hoje é quando os ataques descem ao nível pessoal, como mostram dados coletados pela Abraji.

***********

Em 2019, houve no Brasil 59 registros de discurso estigmatizante, feitos por agentes políticos e públicos contra jornalistas; em 2020, foram 39 até agora. Os casos de assédio virtual foram 30 em 2019 e chegam a 20 este ano.

**********

Desde a chegada da pandemia ao Brasil, a Abraji registrou 24 violações à liberdade de imprensa entre 1.º de março e 21 de abril, sendo 13 agressões e ataques a repórteres, nove casos de discurso estigmatizante e dois assédios virtuais.

**********

Há ainda um segundo aspecto negativo, que se contrapõe ao reconhecimento conquistado desde o início da crise sanitária mundial. É o processo de deslegitimar a imprensa, o jornalismo e os jornalistas.

**********

Quando autoridades públicas, como o presidente da República, militantes políticos radicais investem contra a mídia, desqualificando o seu trabalho de informar a sociedade, não fazem mais do que atacar o mensageiro.

**********

Mas toda ação gera uma reação – ou pelo menos deveria. Cansados de ver seus profissionais agredidos verbalmente no cercadinho diante do Palácio do Alvorada por Bolsonaro e apoiadores.

***********

Veículos tradicionais, como Folha de S.Paulo, Grupo Globo e Correio Braziliense, tomaram uma decisão importante, no último dia 25 de maio: retiraram os profissionais do local até que seja garantida a sua segurança.

***********

“Apesar do cenário desalentador, o jornalismo vive e sobreviverá à pandemia. Seu papel de fiscalizar o Estado e os poderes seguirá, pois é vital a toda democracia. Ideal seria que a imprensa e seus profissionais fossem respeitados e tivessem um ambiente seguro para trabalhar, garantido pelo Estado. Aí, sim, se poderia comemorar o Dia da Imprensa em sua plenitude” disse Cristina Zahar que é secretária executiva da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

**********

O outro evento registrado em 1º de junho, foi o dia do “Quadrilheiro” (dançarino de quadrilha junina).

Por: Sílvio Santos

 

 

 

 

 

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA