Milhares de andorinhas invadem área urbana de Vilhena; saiba o que está por trás do fenômeno

avesNas árvores, postes, fios de energia elétrica, antenas de tv… Pelo céu, por onde se olha pela cidade de Vilhena, no Cone Sul de Rondônia, não restam dúvidas: as andorinhas voltaram! Elas, que não apareciam no município em um número tão grande desde 2013, retornaram há cerca de um mês, e vem chamando a atenção da população.

A doméstica Sirlei Tibias, de 47 anos, disse que é impossível não perceber a presença da espécie na cidade, já que muitas resolveram passar a estadia nas árvores do quintal da casa dela.

Ela conta que todos os dias, lá pelas 17h30, as andorinhas aparecem e pousam nos galhos. “Não me incomodo. Acho-as tão bonitinhas com aquela cauda em formato de tesourinha”, disse.

A babá Maria de Jesus Lopes Santiago, de 50 anos, também conversou com a reportagem e narrou que nas últimas semanas, enquanto cuidava de uma criança de dois anos na varanda de uma residência na Avenida Tancredo Neves, centenas de andorinhas sobrevoaram a propriedade. “Elas vão em direção à prefeitura. É tanto que até assusta”, declara.

É que o local, com muitas árvores próximas, se tornou um ponto de pouso dos passarinhos. O quintal do Ministério Público Estadual é um deles, aliás, o ponto preferido dos pássaros.

É tanta andorinha aglomerada no local que é possível ouvir quando os animais batem as asas. Porém, as fezes delas impregnaram o ar do ambiente e a chuva que vem caindo na cidade, tem piorado a situação, dificultando o trabalho de limpeza.

É tanto mal cheiro que os funcionários estão evitando trabalhar com as janelas abertas. O promotor Fernando Franco Assunção informou que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) chegou a recomendar que podassem as árvores.

Porém, ainda não fizeram isso, pois acreditam que as andorinhas em breve irão partir.

Fenômeno

O biólogo Flávio Terassino explica que nesse período do ano as andorinhas fogem do inverno rigoroso no Canadá ou Estados Unidos e migram para países do hemisfério sul. Nessa longa viagem, elas passam pelo Brasil e, normalmente, a Amazônia é um dos principais pontos de paradas.

“A espécie tem esse comportamento migratório em busca de alimentos e também para se reproduzir. Um fato curioso é que elas caçam e se alimentam no ar, e podem comer mais de 100 insetos por dia”, enfatiza.

De acordo com o Terassino, o Ministério Público acertou em relação à partida das aves. A maioria deve partir da cidade em algumas semanas, pois com a chegada do frio na região, elas voam em direção ao Rio Grande do Sul.

“Assim, as andorinhas devem ficar por lá até março do próximo ano. Depois, retornam para o hemisfério norte e repetem o caminho”, disse.

Fonte: G1

Deixe o seu comentário