Moradores bloqueiam avenida após casas alagarem em temporal no AM

alagadoMoradores de uma vila localizada na Avenida Lourenço da Silva Braga, no bairro Cachoeirinha, Zona Sul de Manaus, bloquearam a via após terem as casas alagadas por conta da forte chuva que atingiu a capital na manhã e tarde deste domingo (14). Segundo informações da Polícia Militar (PM), os habitantes do local chegaram a bloquear a via totalmente em certo momento.

Os moradores reclamam da falta de infraestrutura do local. Ao G1, o tenente Benayon, da 1ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), afirmou que os moradores acionaram a polícia por volta das 11h. “Eles nos ligaram dizendo que iam fazer esta manifestação por conta de um alagamento na região.

Chegando aqui, eles estavam bloqueando as duas vias da avenida, mas pedimos que liberassem uma para não atrapalhar tanto o trânsito na área”, contou.

O problema de alagamentos, segundo os moradores, tem se repetido há dez anos. Segundo o consultor financeiro Marcelo Picanço, de 26 anos, móveis e eletrodomésticos são facilmente destruídos em períodos chuvosos. “Já perdi sofá, geladeira, colchões, comida, tudo. A chuva forte começou 11h e em menos de cinco minutos nossas casas já estavam alagadas. Isso acontece todo ano; já pedimos ajuda do governo mas a única coisa que fazem é jogar madeira e pregos aqui para fazermos passarelas”, afirmou.

alagado1O morador disse ainda que algumas pessoas no local têm arriscado a própria vida na tentativa de recuperar móveis atingidos pelas águas. “Tem uma senhora de 96 anos de idade que tentamos tirar de lá, mas ela não quis sair de casa porque não queria perder tudo que tem. O que pudemos fazer foi suspender os móveis dela na tentativa de salvar algo. É uma situação complicada porque a água está na cintura dela”, contou.

Os alagamentos se tornaram recorrentes após a construção de apartamentos do Programa Social e Ambiental dos Igarapés (Prosamim), segundo os manifestantes. A funcionária pública Mariza Alencar, 54, contou que os moradores da vila já realizaram um documento oficial para solicitar ajuda do Governo do Amazonas. “Moro aqui há 48 anos e nossa tranquilidade sumiu depois dessas obras. Já perdi muitas coisas – coisas que tive que batalhar muito para conquistar. A água vem toda dos bueiros que ficam aqui. Hoje, tive até que colocar o fogão em cima da mesa pra não estragá-lo”, relatou.

A situação, segundo ela, fica ainda mais grave durante o período de cheias no Amazonas. A funcionária pública contou que não recebeu retorno do Governo do Estado quando procurou a entidade para receber ajuda. “Estamos reivindicando uma coisa básica, algo que deveria ser fácil de conseguir. A última vez aconteceu há três meses e foi tão horrível que muitas pessoas perderam tudo”, afirmou.

O G1 tentou contato com a Agência de Comunicação do Amazonas (Agecom) a respeito das reivindicações dos moradores, mas não obteve resposta.

alagado2Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA