Mutirão da dengue recolhe quase mil toneladas de lixo em casas no interior

dengue1Mais de 900 toneladas de lixo já foram retiradas dos quintais das residências de Cruzeiro do Sul (AC) desde junho deste ano, quando começaram os mutirões de limpeza contra a dengue. A maioria dos resíduos coletados durante a ação são pequenos objetos que acumulam água e acabam se tornando alvos para proliferação do mosquito Aedes aegypti, como tampa de refrigerante, cuias de coco, vasos, latas, entre outros. A cidade enfrenta uma epidemia de dengue com mais de 6,5 mil casos notificados entre fevereiro e setembro.

Quintais cobertos por mato também estão sendo limpos pela equipe. Os mutirões estão sendo realizados em todos os bairros da cidade. Na primeira e segunda etapa, as equipes passaram por todas as localidades. A terceira inicia pelos bairros com maior incidência de registro de casos positivos. De acordo com o supervisor da limpeza, Raimundo Nascimento, é necessário ainda que a população se conscientize em relação ao seu papel.

“Nos locais onde passamos na primeira vez, encontramos agora do mesmo jeito, as pessoas não estão fazendo sua parte, se após a nossa limpeza a população tivesse mantido seus quintais limpos, dessa vez não teríamos encontrado a mesma quantidade de lixo. Está faltando conscientização”, diz.

Nesta terceira etapa os serviços iniciaram pelo bairro da Várzea, situado próximo ao Rio Juruá. A principal preocupação do líder comunitário Marivaldo Figueiredo é o período de chuvas que se aproxima, o que poderá acarretar maior acúmulo de água na localidade.

“Como o nome já diz o nosso bairro é uma área de várzea. No período de inverno acumula muita água, pois o rio enche e a água fica parada. Alguns locais devem passar por recuperação aqui, que além da limpeza também devem ser feitos aterros. Temos essa preocupação porque mais de 80% da população do bairro da Várzea já teve dengue”, falou o líder comunitário.

Francisco de Souza Carneiro, de 56 anos, é morador do bairro da Várzea, e já contraiu dengue por duas vezes. Ele explica que apesar de limpar seu quintal, teme que volte a contrair dengue devido a falta de limpeza na área dos vizinhos.

“É muito difícil porque a gente faz a nossa parte e alguns vizinhos não fazem a deles, parece que não tem noção ainda do perigo dessa doença. Eu mesmo peguei dengue e não conheço coisa pior, pensei que ia era morrer com aqueles sintomas”, relembra o morador.

Junto com os mutirões de limpezas, estudantes da Escola Nize Varela, situada no Bairro do Miritizal, área alagadiça, também se uniram nas ações de combate ao mosquito. No final de semana coletaram mais de 100 sacos de lixo pelo bairro. Foram 270 estudantes que durante toda a semana realizaram diversas ações para conscientizar os moradores do bairro.

“Os estudantes fizeram várias atividades, receberam instruções teóricas dentro da escola, saíram pelas casas fazendo levantamento de quantas pessoas já tinham contraído dengue. Para finalizar foram montados grupos para recolhimento de lixo pelo bairro”, relatou a diretora Fernanda Cordeiro.

O estudante Tiago Silva de Souza, de 15 anos, relatou que levou para os moradores do bairro os conhecimentos obtidos dentro de sala de aula, sendo essa uma forma de conscientizar cada um a fazer sua parte.

“Fui em muitas casas e pedimos aos moradores para continuarem deixando seus quintais limpos. Uma simples tampa de garrafa pode ter a larva do mosquito e causar a doença, e isso é muito sério”, observou o estudante.

O supervisor de limpeza, Raimundo Nascimento contou que as residências encontradas sem limpeza ainda não estão sendo notificadas, mas que nos próximos mutirões as penalidades deverão ser colocadas em ação nos locais que não estão sendo limpos pelos moradores.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA