Padrasto que manteve criança em cativeiro continuará preso, em RO

tjUm homem acusado de torturar e manter em cárcere privado uma criança de 5 anos, no município de Buritis, distante cerca de 2 mil quilômetros de Porto Velho, teve habeas corpus negado pelo Tribunal de Justiça de Rondônia. A decisão foi publicada no Diário Oficial de Justiça desta quarta-feira (21). O réu é padrasto da vítima.

O homem está preso preventivamente. O entedimento dos desembargadores é que prisão preventiva é uma forma de garantir a ordem pública, devido a gravidade dos fatos. A defesa do suspeito disse argumentou que a concessão de liberdade provisória seria medida justa, e que as acusações não são verdadeiras.

Entretanto, para os membros da 2ª Câmara Criminal do TJ-RO, o comportamento do réu demonstra periculosidade, e a violência praticada por ele contra uma criança de 5 anos deixa claro a gravidade do crime.

Cárcere privado

De acordo com os autos, a criança urinou na cama da mãe e foi repreendida com palmadas. Em seguida, como forma de punição, o padrasto, que estava alcoolizado, obrigou o menino a permanecer trancado no banheiro de joelhos e nu, durante a noite toda. O homem ainda bateu no menino com mum cinto, deixando esquimose e hematomas.

A denúncia ainda explica que o acusado levantava durante a madrugada para averiguar se a criança estava acordada e jogava copos de água para evitar que a vítima dormisse. Na manhã seguinte, a criança defecou no chão, e apanhou novamente com chinelo e com um pedaço de cano, e deixou o menino preso no banheiro até a hora do almoço.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA