Procon-SP notifica WhatsApp sobre nova política de privacidade

A nova política do WhatsApp começa a valer no dia 8 de fevereiro e para continuar a usar o aplicativo é obrigatório aceitar as condições (Crédito: Pexels)

A nova política de privacidade do Whatsapp, que prevê compartilhamento de informações dos usuários com as empresas do Facebook, está na mira do Procon-SP. O órgão de defesa do consumidor notificou a companhia e pediu explicações sobre a atualização das regras. O Facebook tem 72 horas para responder.

O Procon-SP quer que a empresa informe detalhadamente sobre o enquadramento da política de privacidade à Lei Geral de Proteção de Dados, em vigor desde setembro de 2020.

A norma disciplina as regras sobre o tratamento e armazenamento de dados pessoais e restabelece ao titular desses dados o controle de suas informações; e também ao Código de Defesa do Consumidor, que expressa como direito básico do consumidor a proteção contra métodos comerciais coercitivos ou desleais e contra práticas e cláusulas abusivas.

Entre os dados pessoais que poderão ser compartilhados constam o número de telefone e outros dados registrados na conta; informações sobre o aparelho do telefone (marca, modelo, empresa de telefonia, número de IP); dados sobre a navegabilidade na ferramenta como tempo de uso e quando o usuário está no modo “online” e fotografia do perfil do usuário.

A nova política começa a valer no dia 8 de fevereiro e para continuar a usar o aplicativo é obrigatório aceitar as condições.

O Procon-SP pede que a plataforma informe qual a base legal que fundamenta o compartilhamento dos dados pessoais e que, caso seja a do consentimento, deverá haver uma manifestação livre do usuário sem vício de coação dada a sua vulnerabilidade na relação estabelecida.

Outro questionamento feito ao Facebook foi quanto ao tratamento diferenciado entre os consumidores europeus e brasileiros, já que os protocolos de compartilhamento de dados de consumidores europeus foram alterados, no sentido de resguardar a privacidade dos cidadãos da comunidade europeia.

Fonte: IstoÉ Dinheiro

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA