Produção de café foi de 45,3 milhões de sacas

cafeO Brasil produziu neste ano 45,3 milhões de sacas de café de 60 quilos. Comparado ao levantamento de setembro de 2014, houve aumento de 0,5%. Entretanto, houve uma redução de 7,7% ou 3,8 milhões de sacas a menos que as 49,1 milhões produzidas na safra anterior. Os números são do 4º levantamento da safra 2014, realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e divulgado na última segunda-feira (22).

A variação ocorreu no café arábica que teve uma queda de 15,6%. As causas, de acordo com a secretária de Produção e Agroenergia do Mapa, Cleide Laia, foram a forte estiagem verificada nos primeiros meses do ano, e também as geadas que atingiram o estado do Paraná. Os estados com maior redução foram Minas Gerais (-18,1%) e Paraná (-66,1%). Já o conilon teve aumento de 20% devido à renovação de culturas e ao revigoramento da produtividade, além das condições climáticas favoráveis do Espírito Santo, maior produtor da espécie.

A produção do café arábica está estimada em 32,3 milhões de sacas ou o equivalente a 71,2% do volume de café produzido no país. O maior destaque é o estado de Minas Gerais, com o volume de 22,6 milhões de sacas. Já o conilon, que alcançou 13 milhões de sacas, ocupa 28,5% do total nacional, com o Espírito Santo detendo a maior produção da espécie, com uma colheita de 9,9 milhões de sacas.

ÁREA

A área de produção e em formação ocupa 2,2 milhões de hectares, 2,6% a menos que na safra passada, com uma redução de 59,6 mil hectares. Minas Gerais possui a maior área plantada, com 1,2 milhão de hectares. O predomínio é da espécie arábica, com 98,8% da área total do Estado e 53,2% da área cultivada no país. A segunda posição é do Espírito Santo que apresenta área total de 474,6 mil hectares, sendo que 283,1 mil hectares são destinados ao conilon. Isso equivale a 64,1% da área nacional da espécie.

AMPLIAÇÃO DE MERCADO

O ano de 2014 foi marcado pela ampliação e manutenção de mercados no agronegócio brasileiro, com ênfase em questões sanitárias e fitossanitárias. Dentre os países que abriram o mercado para os produtos brasileiros estão: Rússia, México, Japão, África do Sul, China, Coreia do Sul, Colômbia, Iraque, Irã, Egito e Tailândia.

Dentre as negociações, na área de produtos de origem animal, destacam-se a abertura do mercado russo, grande importador mundial para. Em agosto deste ano, a Rússia anunciou uma liberação recorde de estabelecimentos brasileiros habilitados para exportar carne de aves, suínos e bovinos, miúdos de bovinos, além de produtos lácteos para aquele país. Atualmente, o Brasil possui 162 estabelecimentos habilitados para exportar para a Rússia.

Este ano foi marcado ainda pelo início das exportações de carne suína pelo estado de Santa Catarina ao Japão e de carne de frango para o México.

Fonte: Diário da Amazônia

Deixe o seu comentário