Projeto para controlar búfalos em Rondônia é analisado por ICMBio

Rebanho solto na região representa degradação ambiental, risco a humanos e risco de doenças

BufalosManejar para atrair gradativamente o gado com alimento e confiná-lo. Essa é a proposta para o controle do rebanho de búfalos na região do Vale do Guaporé, em Rondônia. A situação foi debatida na sede do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O secretário-adjunto de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), Francisco de Sales explicou o procedimento. “Inicialmente usaremos o sal, pois estes animais sentem necessidade deste componente. O cloro e sódio são fundamentais para o metabolismo bubalino”, explicou. Após a restrição da área haverá um período de quarentena onde serão avaliadas as condições de saúde dos animais e a indicação do abate via frigorífico.

Sales demonstrou a necessidade urgente do apoio, principalmente financeiro do ICMBio ao projeto, pois o rebanho solto na região representa degradação ambiental, risco a humanos e pelo modo de vida selvagem não há controle de doenças. “Pensamos muito na questão da febre aftosa, pois trabalhamos ano a ano para que Rondônia continue como área livre da aftosa”, destacou.

O presidente do ICMBio, Claudio Carrera Maretti Claudio Carrera, solicitou o projeto, que será entregue para análise e viabilidade do setor competente do ICMBio. Será necessário investimento na construção e custeio de pessoal por prazo médio de cinco anos. Nos primeiros 12 meses serão necessários R$ 1,6 milhões para custear a construção de área para quarentena, adestramento, currais, coxo, incinerador, barcos, alojamento, materiais de consumo e despesas com funcionários. Nos anos seguintes o custo fica em torno de 15% do inicial, segundo os estudos, R$ 600 mil/ano.

Búfalos na região

Os búfalos foram introduzidos em Rondônia na década de 1950. Provenientes da Ilha de Marajó (PA) para a experiência de fornecer leite e carne, as 30 cabeças de gado dócil não geraram os resultados esperados, e em 1953 foram soltas, seguindo para a região do Vale do Guaporé. Atualmente os dados apontam mais de 5 mil reses que não tiveram contato com humanos e se tornaram ferozes, numa região sem predadores.

Rondônia possui título concedido pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) de área livre da aftosa desde o ano de 2002. Além da aftosa, as doenças mais comuns destes animais são tuberculose e brucelose.

Também estiveram na reunião os servidores do ICMBio, Flavia Oliveira, coordenadora de Compensação Ambiental, Celso Stecanela, coordenador-geral de Planejamento e Orçamento, José Lopes de Sousa, diretor-substituto de Planejamento, Administração e Logística e a superintendente de Integração do Estado de Rondônia em Brasília, Elizete Lionel.

Fonte: Portal Amazônia, com informações do Governo de Rondônia

Deixe o seu comentário