Saúde detecta número elevado de larvas do Aedes aegypti em Boa Vista

dengue_e_chikungunyaO trabalho de vistoria, retirada e eliminação de depósitos no lixo doméstico das residências de Boa Vista para combater os criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e da febre chikungunya, completou 15 dias e, de acordo com a Coordenadoria-Geral de Vigilância em Saúde (CGVS), detectou a presença de larvas do mosquito e de água parada em grande parte dos recipientes retirados e eliminados. A ação ocorre em parceria com o Corpo de Bombeiros, Exército, além das secretarias municipais de Saúde e Urbanismo de Boa Vista.

Conforme o gerente estadual do Núcleo de Controle da Dengue e Febre Amarela, Joel Lima, a população não deve esperar pela visita das equipes, e sim, desde já, reforçar a vistoria nos imóveis.

“É importantíssima a participação da comunidade nesse trabalho, pois logo quando começamos a ação, eram pouquíssimos os recipientes que estavam com água parada. Mas, nos últimos dias, temos percebido o aumento no número de depósitos com água e com larvas do mosquito. E a população precisa estar alerta, pois, se forem esperar a visita dos agentes para fazer a higienização dos quintais, a larva já vai ter se transformado em um mosquito adulto, que estará voando, e aí está o perigo maior”, esclareceu.

Lima explica que foi montado um cronograma da visitas em todos os bairros de Boa Vista e em alguns municípios prioritários. As equipes estão seguindo o cronograma e o índice de casas fechadas está dentro do esperado. No entanto, é preciso esclarecer que esta ação é de controle e combate à proliferação do mosquito, e não de retirada de entulho dos quintais.

“Em muitos casos, os recipientes são mantidos, porque orientamos a população sobre o armazenamento adequado, o que já resolve o problema. Não adianta retirar toda a sujeira do quintal, pois essa não é a função do mutirão, mas sim, manter a vistoria diária, para evitar o ambiente propício para a presença do mosquito”, enfatizou.

Até última quarta-feira (29), 20 bairros foram visitados 20 bairros da zona Oeste da capital foram visitados. Ao todo, nestas áreas, foram vistoriados 60.251 imóveis. Destes, de acordo com CGVS, foram eliminados aproximadamente 52.397 depósitos e retirados dos quintais cerca de 92.564 recipientes, que já deveriam estar no lixo.

Ecoponto

Em relação aos pneus que não serão mais utilizados nem reaproveitados, a população pode utilizar o Ecoponto, local destinado ao recebimento de pneus que perderam totalmente a serventia. Ele funciona na sede da Superintendência de Serviços Públicos, localizada na avenida Brasil, nº 224, Pricumã, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h.

Para evitar o acúmulo de água e o surgimento de focos do mosquito da dengue e chikungunya, agentes de endemias realizam inspeções a cada 15 dias, com borrifação de veneno.

“É preciso deixar bem claro que o mutirão de combate e controle do chikungunya não tem a responsabilidade de fazer retirada de entulho dos quintais e sim a retirada e eliminação apenas dos possíveis criadouros do mosquito. No caso dos pneus, em especial, as pessoas que desejam descartar o material definitivamente, podem deixar no Ecoponto, para posterior repasse do material a uma empresa de reciclagem localizada em Manaus”, finalizou Lim.

Registros

Até o momento, foram confirmados sete casos da febre chikungunya em Roraima, todos eles importados da Venezuela e da Guiana. Outros 20 são suspeitos e aguardam resultado da análise clínica e laboratorial de uma equipe de profissionais de Saúde, que acompanham a evolução da doença no estado. Posteriormente, os exames serão encaminhados ao Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA