Tecnologias no campo aumentam produção de café e leite, em RO

pastagemTrabalhadores do campo aproveitam tecnologias para o aumento da produção do leite e café no Estado de Rondônia. Os produtores da agricultura familiar devem ter melhor qualidade de vida com mais produção e menor custo. O projeto busca levar tecnologias ao pequeno produtor e melhorar a qualidade de vida no campo, gerando mais produção, com menor custo, em uma área menor e de maneira que preserva o ecossistema.

Em Porto Velho, esta ação faz parte de uma parceria da Embrapa Rondônia com a Prefeitura, com capacitação e orientação de técnicos da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Semagric), e acompanhamento no andamento dos trabalhos nas unidades modelos, que são propriedades de produtores que aceitaram o desafio de investir na tecnologia. O município atua com assistência técnica e subsídios.

“Antes eu usava metade da minha propriedade com vaca leiteira e não via sobrar capim. Hoje elas não comem os dois alqueires que fiz com o funcionamento dos piquetes. Além disso, minha pastagem era fraca. Reformei, adubei e aumentei o número de animais por área, de quatro para oito vacas por hectare, e ainda está sobrando pasto”, comentou o produtor Rubens Rocha, de Rio Pardo, distrito de Porto Velho. Segundo Rubens, a produção média das 17 vacas que possui era de 70 litros ao dia, hoje ele continua com a mesma quantidade de animais, mas com uma média de 130 litros ao dia.

De acordo com a Embrapa, a tecnologia funciona com o manejo de pastagem com piqueteamento, avaliação da qualidade do leite, que inclui cuidados com a higiene da ordenha e controle de mastite, além de práticas reprodutivas e de melhoramento genético. Cerca de 20 produtores da região já se interessaram e estão esperando para participarem do projeto, com a adoção das tecnologias.

A produção do café deve aumentar com uma nova tecnologia da Embrapa, que em parceria com um consórcio de pesquisa desenvolveu o café conilon BRS Ouro Preto. A tecnologia deve aumentar a produtivade da cafeicultura no estado, e também contribuir para a sustentabilidade econômica e social da agricultura familiar.

A produtividade média do café em Rondônia é de 16 sacas por hectare, mas a nova cultivação deve beneficiar 70 sacas por hectare em lavouras de sequeiro, podendo chegar a 110 sacas com irrigação.

A Embrapa, por meio do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizou um processo de seleção em 2013 para credenciar viveiristas, para multiplicarem as mudas e comercializarem a cultivação do café. Os viveiristas credenciados já iniciaram a multiplicação das mudas e o processo de comercialização deve ser intensificado em 2015.

Fonte: G1

Deixe o seu comentário