Vereador denuncia perseguição a advogados efetivos e diz que criação de cargo comissionado é para receber “parecer jurídico encomendado”

furia_entrevistaDurante sua manifestação no plenário da Câmara no último dia 02 de maio, o vereador Adailton Antunes “Fúria” (PRB), fez duras críticas a vereadores que, segundo ele, estariam pressionando os advogados concursados da Câmara e, por não conseguirem seus intentos, acabaram por cometer um ato de irresponsabilidade e imoralidade ao contratarem mais um advogado (Procurador Geral), portariado, fato que foi considerado como uma manobra para que esse grupo de vereadores consiga “pareceres sob medida”, já que um advogado comissionado, se não ceder à vontade de quem o contrata, poderia ser demitido com uma simples canetada do presidente da Câmara.

Fúria disse que é difícil, em uma análise criteriosa e meramente técnica, entender as razões que levaram a Mesa Diretora a criar mais um cargo comissionado e contratar outro advogado para Câmara, uma vez que, segundo ele, em 2014 um dos dois advogados concursados, Abdiel Afonso Figueira, foi cedido para trabalhar em outro Município, tendo os serviços jurídicos da Câmara realizados pelo outro advogado efetivo. A contratação dos dois advogados, via concurso público, sempre foi suficiente para atender as atividades jurídicas da Câmara Municipal.
“Então, Sr Presidente, fica aqui minha indignação com a criação desse cargo em um momento de crise onde não se tem dinheiro sequer para dar um reajuste mínimo ao servidor público e essa casa de leis cria um cargo de quase 10 mil reais e não me perguntem senhores o que ele faz porque até hoje eu não descobri”, ressaltou.

Fúria também protestou contra uma reunião, feita na surdina, da qual participaram a maioria dos vereadores e, por incrível que pareça, não o chamaram, apesar de ele ser o autor do projeto que pretendia beneficiar as pessoas mais carentes através da criação de mais vagas de moto táxi. Ele diz que se o seu projeto de ampliar o número de placas fosse acolhido na integralidade, a população seria beneficiada, já que havendo mais profissionais atendendo ao público, os preços poderiam cair bastante.

O Vereador Fúria teve acesso a gravação desta reunião em que Vereadores pressionaram o advogado efetivo Tony Pablo para que ele trocasse seu parecer jurídico favorável ao projeto, durante a reunião após o advogado afirmar que não mudaria o parecer jurídico o Vereador Mario Moreira “JABÁ” ameaçou, categoricamente, que só precisaria do apoio de mais três ou quatro vereadores para aprovar o que ele bem entendesse, mudar parecer, criar até um cargo de Procurador Geral e até “botar fogo na Câmara”…

Por fim, o parlamentar afirmou que as muitas gravações a que ele teve acesso, reforçam a ideia de que os advogados concursados da Câmara Municipal, Tony Pablo e Abdiel, há muito tempo vem sofrendo pressões, intimidações e são vítimas de assédio moral. Fúria disse que chegou ao seu conhecimento que os advogados efetivos já entraram com ação na Justiça contra os Vereadores Paty Paulista e Rafael Evangelista em busca de reparação por atos arbitrários. E que está revoltado com a reunião em que vereadores foram gravados pressionando servidor público, não apenas no que diz respeito ao assédio moral aos advogados da Câmara, mas também com o desrespeito aos cidadãos tanto no que se refere ao serviço de mototaxi, cujo objetivo principal seria o de baixar o preço do transporte público das pessoas mais carentes, como em relação aos demais cidadãos que estão sendo desrespeitados com essa contratação desnecessária de um novo advogado, que vai gerar um custo adicional para os cofres públicos de aproximadamente 10 mil reais por mês.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA