‘Zona Azul’ de Rio Branco deve entrar em funcionamento em dezembro

azulO sistema de estacionamento rotativo de Rio Branco, mais conhecido como “Zona Azul”, deverá entrar em funcionamento a partir do dia 15 de dezembro. De acordo com a Superintendência de Transporte e Trânsito de Rio Branco (RBTrans), mais de 800 vagas devem ser disponibilizadas na primeira fase do projeto, que será focado em parte do Centro da capital.

De acordo com o superintendente do órgão, Ricardo Torres, o objetivo do projeto é democratizar os espaços públicos. “O que a gente espera é que a disputa por vagas nas vias públicas seja extinta. Há uma diminuição da circulação de veículos, uma socialização do espaço público e um facilitador de chegada até o comércio, então muda a dinâmica da cidade”, explica.

Os parquímetros, com distância média de 50 metros entre eles, já estão sendo instalados em diversas vias do Centro como as Avenidas Brasil e Getúlio Vargas e as Ruas Arlindo Porto Leal, Benjamin Constant, Dr. Franco Ribeiro, Epaminondas Jácome e Rui Barbosa.

Os equipamentos funcionarão entre 8h e 18h de segunda a sexta-feira e de 8h às 12h aos sábados. Em datas comemorativas, quando o comércio funciona em horários especiais, é possível que o horário seja ampliado.

Segundo a RBTrans, com a “Zona Azul” os condutores só poderão ocupar uma vaga por um tempo que varia de 30 até 120 minutos. Para condutores de automóveis a tarifa ficará entre R$1 e R$2. Já os motociclistas pagarão valores que variam entre R$ 0,50 e R$1. Caçambas coletoras de entulho terão autorização para permanecer nas vagas durante 24h, mas os responsáveis terão que pagar uma tarifa de R$10.

Para pagar as tarifas, os condutores poderão utilizar moedas, ou através de cartão recarregável.

‘Figura do flanelinha deixa de existir’
Torres enfatiza ainda que com a implantação da “Zona Azul”, os flanelinhas que atuam no Centro da capital não poderão mais continuar cobrando para vigiar os carros. “A figura do flanelinha deixa de existir. Ele não podem mais atuar porque é uma atividade controlada e regulada pela Prefeitura com a instalação dos parquímetros e das pessoas que estarão lá fiscalizando”, enfatiza.

O superintendente diz que na última sexta-feira (21), a Prefeitura se reuniu com alguns flanelinhas para conversar sobre a possibilidade de inserí-los no mercado formal de trabalho. “A Prefeitura quer viabilizar em parceria com outros órgãos, cursos de qualificação para que eles possam aprender e exercer outras atividades no mercado formal”, afirma.

Por fim, ele ressalta que quem desobedecer e continuar atuando como flanelinha poderá ser punido. “Qualquer pessoa que estiver em via pública requerendo dinheiro por uma atividade que já é exercida pela prefeitura com certeza vamos ter que conduzir para a delegacia para lavrar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Não dá para exercer uma atividade profissional sem ter autorização”, alerta.

Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA