Aduana compartilhada entre Brasil e Bolívia começa a vigorar em RO

aduana_umEntrou em vigor o sistema de Aduana integrada entre Guajará-Mirim (RO) e Guayaramerín, na fronteira com a Bolívia, a 330 quilômetros de Porto Velho.  A partir desta segunda-feira (3), os comerciantes bolivianos terão que pagar as taxas dos produtos importados do Brasil.

O sistema de Aduana compartilhada já existe desde 20 de junho de 2005, com o Decreto Nº 5.471, que firmou o acordo comercial entre os países que fazem parte do Mercosul. Os comerciantes brasileiros já pagam as taxas de exportação. O acordo foi criado para simplificar a relação comercial entre os dois países. A medida gerou muitas dúvidas para os comerciantes brasileiros e bolivianos.

Vários representantes comerciais dos dois países e o presidente da União Cívica Filhos de Guayaramerín se reuniram na Receita Federal, em Guajará-Mirim, para pedir esclarecimentos sobre a modalidade. No dia 30 de julho a União Cívica Filhos de Guayaramerín declarou estado de emergência e suspendeu as atividades no porto por 24 horas, para fazer cumprir o acordo firmado entre os países.

Segundo Hernan Zabala, presidente do grupo, com a medida o preço dos produtos importados do Brasil vai sofrer um aumento considerável, porque a partir de agora vão pagar todas as taxas de importação na aduana boliviana. “Estamos muito preocupados, o preço dos produtos tendem a subir e quem vai pagar é o povo, queremos um tempo para nos adequar a essa medida”, ressalta.

De acordo Leonardo Choque,  chefe da Aduana Boliviana, a medida não tem a intenção de prejudicar os comerciantes, mas de simplificar os trâmites burocráticos para a importação. “A Aduana Boliviana não faz distinção de produtos, todos são livres para importação, por isso queremos cumprir a nossa parte no acordo e facilitar a relação comercial entre os dois países”, diz.

Fonte: G1
COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA