Agricultura familiar beneficia instituições

Agricultura familiar beneficia instituições

bananaCerca de 27 entidades filantrópicas de Cacoal estão sendo beneficiadas com alimentos comprados direto dos produtores da zona rural do município, que estão cadastrados no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). O programa é desenvolvido pelo governo do Estado, através da Secretaria Municipal de Agricultura que repassa os alimentos comprados para a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) distribuir às entidades de forma gratuita.

Logo pela manhã, a presidente da Associação Beneficente dos Idosos de Cacoal (Abic) Emilcemir Mendes Cardoso, ou Emi como prefere ser chamada, já estava na Emater para retirar os alimentos para a associação. Segundo Emi, os alimentos recebidos alimentam 480 associados, que todas às sextas-feiras se reúnem na sede da Abic para confraternizarem juntos.

“Na Abic eles tomam café da manhã, almoçam e lancham. Se não fossem esses alimentos nós não conseguiríamos atender todos os idosos, pois não temos renda própria. Além de Cacoal, a Abic recebe idosos de Rolim de Moura, Santa Luzia do Oeste, Espigão do Oeste, Ministro Andreazza, Presidente Medici e Ji-Paraná”, afirmou a presidente.

O gerente da Emater em Cacoal, Hideraldo Correia Ferro, afirma que já estão cadastrados no PAA, 95 produtores rurais, que fornecem para o município semanalmente, produtos como hortaliças, legumes, frutas, leite, iogurte e até peixe, que atendem entidades filantrópicas como Abisai, Lar do Idoso, Casa de Acolhida São Camilo, Guarda Mirim, entre outras.

“Esse ano o governo enviou para a compra de produtos direto da agricultura familiar o valor de R$ 470 mil. O que nos possibilita alimentar em média 1,5 mil pessoas”, afirmou Hideraldo. De acordo com o gerente, é promissor aos produtores rurais participarem do PAA, pois com isso eles passam a ter um canal de comercialização de produtos com preço justo.

“O governo paga os produtores em parcela única, e os produtos são entregues semanalmente durante o ano”, explicou. Para as entidades receberem esses produtos de forma gratuita, é preciso que estejam regularizadas mediante filantropia, possuam Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e estejam inscritas no PAA, junto à Emater e governo do Estado.

Fonte: Diário da Amazônia

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA