Alerta sobre aumento da leptospirose

aguaO Departamento de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) está alertando a população de Porto Velho sobre o aumento da incidência de leptospirose durante o período chuvoso. Risco maior de ocorrência da doença é nas áreas de alagações, enchentes e transbordamento de esgotos ou córregos que propiciam a disseminação e a persistência do agente causal no ambiente, facilitando a ocorrência de surtos.

De janeiro a fevereiro deste ano foram confirmados dois casos da doença e destes um foi a óbito. Outras 25 notificações estão sob investigação do Departamento de Vigilância Epidemiológica. A Semusa, em parceria com a Defesa Civil, trabalha na assistência com as pessoas atingidas pela enchente do rio Madeira passando orientações e medidas de prevenção.

A leptospirose é uma doença infecciosa transmitida ao homem pela urina de roedores como os ratos, principalmente por ocasião das enchentes quando as águas das chuvas invadem quintais e residências. Os principais sintomas da doença são febre, dor de cabeça e dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas, vômito, diarreia e tosse. Nas formas graves pode aparecer ictericia (pele e olhos amarelados).

O período de incubação pode variar de 1 a 30 dias, normalmente ocorre de 7 a 14 dias após a exposição a situações de risco. A Semusa orienta as pessoas que sentirem algum desses sintomas, após a exposição de risco, a procurar imediatamente uma unidade básica de saúde para atendimento médico, informando sempre a data do ocorrido e o período até a procura por auxílio médico.

Todas as unidades básicas da prefeitura de Porto Velho estão aptas para realizar os exames e fazer o diagnóstico. Se o caso for confirmado é feito o encaminhamento para tratamento no Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron). A leptospirose pode levar a óbito em pouco tempo se não for diagnosticada precocemente.

 

Fonte: Assessoria

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA