Bancários reivindicam 16%, garantia de emprego e o fim das terceirizações

BancariosA 17ª Conferência Nacional dos Bancários aprovou na plenária final, realizada no último domingo (2) em São Paulo, a estratégia, o calendário e a pauta de reivindicações da Campanha Nacional 2015, que terá como eixos centrais reajuste de 16%, valorização do piso salarial no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.299,66 em junho), PLR de três salários mais R$ 7.246,82, defesa do emprego, combate às metas abusivas e ao assédio moral e fim da terceirização.

667 delegados – sendo 219 mulheres e 448 homens, além de 42 observadores – participaram da Conferência, iniciada no dia 31 de julho, no hotel Hotel Holiday Inn Parque Anhembi. Entre eles os dirigentes do Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB-RO) José Pinheiro (presidente), Euryale Silva (secretário geral), Cleiton dos Santos (diretor de Formação Política), Ivone Colombo (diretora de Saúde) e José Toscano (diretor de Administração).

“Construímos uma minuta que tomou como base a consulta feita com 931 bancários só em Rondônia – de um universo de 48 mil consultas em todo o país – e o Encontro Estadual dos Bancários, realizado em Ji-Paraná. Com isso, somados às pautas construídas nos encontros estaduais e regionais Brasil afora, os trabalhadores definiram a minuto onde detalham o que querem como índice e nas questões como saúde, emprego e remuneração. Agora essa minuta geral será entregue aos banqueiros no próximo dia 11, e esperamos ter uma campanha nacional forte e com adesão de todos para que possamos obter nossas conquistas sem sacrificar tanto a sociedade por meio de mais uma greve demorada. Por isso faremos reuniões em todas as agências para convocar os trabalhadores a participarem maciçamente desta campanha”, avaliou José Pinheiro, presidente do Sindicato.

Antes da Conferência Nacional foram realizadas 48 mil consultas entre os bancários para construção da Campanha, O final da Conferência Nacional representa o início oficial da Campanha Nacional 2015, já que imediatamente após a entrega da minuta para a Fenaban começam as negociações.

Conjuntura Nacional

Os 667 participantes da 17ª Conferência também discutiram temas importantes da conjuntura nacional, como as consequências do processo de terceirização, reforma tributária, desenvolvimento econômico e estrutura do sistema financeiro atual. Também houve duras críticas ao último aumento da taxa Selic, que passou para 14,25% ao ano, e ao ajuste fiscal, liderado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Entrega da pauta

O Comando Nacional dos Bancários entregará no próximo dia 11 de agosto, em São Paulo, a pauta de reivindicações à Fenaban, momento em que já vão requerer dos banqueiros o calendário completo das rodadas de negociação.

Lançamento da Campanha

Os bancários de Rondônia farão o lançamento oficial da Campanha Nacional dos Bancários 2015 – que este ano terá como mote principal “Exploração Não Tem Perdão” – na manhã do dia 14 de agosto, em frente à agência Madeira-Mamoré da Caixa Econômica Federal, na avenida Carlos Gomes com rua José de Alencar, no Centro de Porto Velho.

Principais reivindicações aprovadas para a Campanha Nacional dos Bancários 2015

* Reajuste salarial de 16%.

* PLR: 3 salários mais R$7.246,82

* Piso: R$3.299,66 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).

* Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$788,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

* Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.

* Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.

* Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários.

* Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.

* Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.

* Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transsexuais e pessoas com deficiência (PCD’s).

Fonte: Rondonoticias

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA