quinta-feira, dezembro 9, 2021

Cabixi nasceu dentro da mata, com o simbolismo de uma cruz de madeira; município completa 33 anos nesta terça-feira

Município já é conhecido em todo o País pelo forte potencial da pesca esportiva e pela infraestrutura para acolher turistas

Uma enorme cruz de madeira foi erguida na mata, em 1980, por homens valentes e ao mesmo tempo cansados pela rudeza em esperar por recursos que lhes garantissem a construção da cidade. Cabixi nasceu no tempo em que as únicas estradas de chão batida foram abertas em mutirão. O acontecimento repercutiu em páginas de jornais, sensibilizando as autoridades dos antigos ministérios do Interior, Agricultura e Transportes.

Distante 640 quilômetros da capital, Porto Velho, o município chega aos 33 anos nesta terça-feira (6), com população de seis mil habitantes originários do ex-distrito com o mesmo nome. Apesar da base agrícola, não dispunha de um só armazém para guardar safras, tendo que recorrer a Colorado do Oeste.

As terras desmembradas de Colorado em 1988 são atualmente exploradas por pastagens e pela fartura da produção de grãos. O município de 1,31 mil quilômetros quadrados (km²) também é destino turístico. Fica a 139 quilômetros de Vilhena, portal de entrada do Estado, e pode ser considerado santuário ecológico da região do Guaporé, por ter  quatro biomas: Amazônia, Cerrado, Pantanal e Savana.

Pioneiros erguem o madeira na fundação de Cabixi

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a base demográfica de Cabixi integra os vales dos rios Cabixi e Guaporé. Situa-se numa região habitada séculos atrás pelos indígenas Cabixi, que foram vistos pela primeira vez por bandeirantes paulistas [século XVII] e pela Comissão Rondon [1909].

Há quatro anos, o município aderiu ao Programa de Regionalização do Turismo do Ministério do Turismo, incluindo-se no Mapa Nacional por ser parte da região do Guaporé. Atrai visitantes de todo o País e estrangeiros interessados na prática da pesca esportiva que acontece especialmente no distrito Vila Neide, distante 40 quilômetros do centro da cidade. Ali funcionam quatro pousadas e guias de pesca creditados nacionalmente.

No ano passado, segundo o gestor da Superintendência Estadual de Turismo (Setur), Gilvan Pereira, Cabixi fez parte das ações estratégicas do Governo de Rondônia, para impulsionar o setor turístico local.

Um famtour levou influenciadores digitais à região, para revelar seus atrativos. Famtour é a forma de promoção que visa encantar distribuidores do produto turístico.

MÁQUINAS PARADAS E MUTIRÃO

Não foi simplesmente um parto normal, mas a fórceps: Cabixi, antes do apoio oficial, seus colonos migrantes fizeram tudo “no peito e na raça”. O mutirão popular dos colonos cabixienses aconteceu sem planejamento prévio, porém, decorrente da paralisação do maquinário do próprio Incra.

O governador Jorge Teixeira de Oliveira, o Teixeirão, ficou sabendo da falta de recursos – não havia combustível – e incumbiu uma comissão de colonos a assumir o improviso e a cotização para fazer funcionar pás-carregadeiras, patrolas e tratores. Em negociação direta com o então coordenador do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Rondônia, Bernardo Martins Lindoso, deu-se a transferência do maquinário.

Resolvidos os limites das terras indígenas e após a criação da comarca de Cerejeiras, Cabixi foi crescendo. Na sequência vieram Corumbiara e o distrito de Planalto São  Luiz. Cabixi foi elevado à categoria de município pela Lei Estadual n.º 208, de 6 de julho de 1988 Sede no atual distrito de Cabixi. (ex-localidade). É constituído por dois distritos: Cabixi e Planalto São Luís, ambos criados pela mesma lei, entretanto, a instalação só ocorreria em 31 de julho de 1988.

Quatro escolas do Ensino Básico, Fundamental e Médio funcionam no município, nas quais se recorre aos fatos históricos para a lembrança do lugar. Alguns desbravadores são mencionados, entre eles, Chico Soldado e Darci Rech. Chico é nome de uma dessas escolas.

SANEAMENTO BÁSICO

O convênio  TED 08/2017, uma parceria entre a Fundação Nacional de Saúde (FNS) e o Instituto Federal de Rondônia (Ifro), originou o  Plano Municipal de Saneamento Básico, prejudicado pela pandemia do novo coronavírus em 2020. No projeto constam o diagnóstico feito por acadêmicos do Ifro para apurar a situação do abastecimento de água na zona urbana e nos distritos.

Instituto e prefeitura também estudam a reformulação de estratégias para a execução e participação dos membros do Comitê do Plano de Saneamento Básico de Cabixide, informa a coordenadora do comitê, Laíse Santos Azevedo.

Segundo Laíse, o projeto prevê a execução das atividades e cumprimento de demandas, bem como, a construção do calendário mensal de atividades.

Cabixi, hoje:

121,7 mil cabeças de bois

6,4 mil vacas ordenhadas; 7,4 mil litros de leite

22,9 mil galináceos, 4,3 mil suínos, 1,7 mil ovinos, 1,6 mil equinos, 15 bubalinos, 70 caprinos

640 kg de mel de abelha

Arroz em casca, 3 mil hectares; 7,2 toneladas colhidas

Feijão,500 ha cultivados, 120 t colhidas

Soja, 6 mil ha, 16,5 mil t colhidas

Milho, 4 mil ha plantados, 12 mil t colhidas

____

 

PIB: R$ 85,3 mil

Per capita: R$ 25,8 mil

IDH: 0,650


Veja mais+

- Advertisement -

Veja Mais Notícias