CACOAL: OS CAPACHOS DA INQUISIÇÃO…

maria_1A turma da honestidade perdeu mesmo a vergonha! É triste ver uma cidade tão promissora administrada por pessoas tão incompetentes. Considero natural que haja rivalidade entre políticos, ou entre grupos políticos, mas a coisa precisa ter o mínimo de decência. A forma como a turma da honestidade tenta se vingar de quem não aprova a administração é uma prática política muito suja. O pedido de cassação do mandato da vereadora Maria Simões mostra claramente os limites morais dessa turma. Que asco!!

Inicialmente, vale registrar que, politicamente, quem tem interesse em ver fora do mandato a vereadora da Rede Sustentabilidade é esse grupelho que orbita em torno da Teocracia Cacoalense, liderado por ex-presidiários que fingem estar longe do poder. Eles têm uma forma de agir tão baixa que usam pessoas em suas manobras políticas, sem nenhum escrúpulo, como se fossem donos da prefeitura. As pessoas que se deixam usar deveriam igualmente ser presas porque a imbecilidade tem limite.

Para que o leitor tenha clareza da manobra, vamos esclarecer alguns fatos: A pessoa que assinou o pedido de cassação de Maria Simões é Leila Vernal Salina, que é Técnica de Enfermagem e morava em Porto-Velho. Leila deixou sua casa na capital e mudou para Cacoal para ganhar menos do que ganhava em Porto-Velho. Adivinhem quem articulou a vinda dela para Cacoal? Foi a mesma pessoa que até hoje manda na prefeitura. Vale lembrar que o governo de Rondônia cedeu Leila Salina para a prefeitura de Cacoal, embora não tenha necessidade nenhuma de trazer técnicos de enfermagem da capital para Cacoal, já que aqui existem cursos de formação de técnicos. Além disso, em Cacoal, há técnicos muito mais capacitados do que Leila Salina. O local onde ela exerce o cargo de Técnica de Enfermagem ninguém sabe. Enquanto isso, faltam profissionais nas unidades de saúde do estado.

Outro “detalhe” é que Leila Salina, claramente usada politicamente pela administração, está entre os principais doadores da campanha do PT em Cacoal. O candidato Zé Ilson, que disputou a eleição com apoio total do fraco prefeito recebeu volumosas doações de campanha de Leila Salina. Interessante isso! Um técnico de enfermagem não ganha tanto dinheiro. Por que será que doou um valor tão alto para um candidato que não tinha nenhuma chance de ser eleito? Vale ressaltar que Zé Ilson, que se diz pastor, está entre as pessoas mais próximas do prefeito. Curioso isso! Será que Leila Salina foi orientada pelos dois filósofos da prefeitura da honestidade? Se foi, essa velha filosofia de mascarar fatos não tem dado certo…

Além disso, há um “detalhe” bem interessante: no início da “denúncia”, assinada por Leila Salina consta a seguinte expressão: “…em face dos vereadores…” Essa expressão, para quem não lembra, é a mesma que estava escrita em outra “denúncia” que nasceu na prefeitura. Pouco tempo atrás, quando Maria Simões trabalhava na CPI que deu origem à Operação Detalhe, apareceu um pedido de cassação do mandato dela, de Pedro Ferrazin e Adailton Fúria, feito pelo prefeito. A expressão “em face dos vereadores” estava lá, no mesmo local do texto, com o mesmo erro gramatical. Isso significa que pode ter sido foi feita no mesmo computador. A expressão correta deveria ser “em face de os vereadores”. Como Maria Simões é uma pessoa só, ao contrário do prefeito, a expressão deveria ter sido usada no singular e no feminino. Estranho seu uso no plural masculino. Parece ser o mesmo “modelo” usado antes. Quanto aos erros de regência e concordância nominal, não vamos entrar nesse mérito…

Analisando a “denúncia” assinada por Leila Salina, vê-se claramente que é carente de qualquer documento probatório, pois não contém na denúncia nenhuma comprovação da participação da vereadora em nenhum crime. É engraçado pensar que o fraco prefeito não aceita responder pelos atos de sua assessora Maria Ivani, mas sua administração que impor, sem nenhuma base legal, que Maria Simões responda pela empresa de seus familiares. Nesse caso, “o pau que dá em Chico não é o mesmo que dá em Francisco”, como relembrou pouco tempo o Procurador Rodrigo Janot, que comanda as investigações da Operação Lava Jato. A denúncia encaminhada à Câmara é apenas um ato inquisitório contra a atuação de Maria Simões. A Turma da Honestidade deveria ser pelo menos original. Que coisa burra!!! Duvido que Leila Salina saiba qual foi o computador onde ela digitou essa denúncia. A coitada recebeu o documento só para assinar mesmo. É possível que tenha sido pressionada por alguém. A vereadora Maria Simões e o Ministério Público deveriam procurar saber de onde vieram os recursos que Leila Salina doou para a campanha de Zé Ilson, do PT de Cacoal, no ano passado. Se vieram do seu salário de Técnica de Enfermagem, é pura filantropia, pois a turma da honestidade não visa lucro, eles fazem tudo honestamente.

Esses atos cometidos por pessoas da administração, às vezes sob a orientação de pessoas batizadas pelo prefeito, às vezes sob a orientação dos filósofos, são a cara da Inquisição praticada na Idade Média. Naquele período de trevas políticas, quem se colocava contra o poder era condenado e queimado em fogueiras. Quase mil anos depois, em uma cidade próspera como Cacoal, novamente são vistos atos muito semelhantes com a Inquisição da Idade Média, como se as pessoas fossem capazes de fazer de tudo, inclusive usar capachos apedeutas, para se manterem no poder. Além do sentimento de pena que surge, em relação aos incautos que são usados por essa desastrosa administração, há o sentimento preponderante, em relação aos governantes inescrupulosos: o asco. A turma da honestidade deveria tomar vergonha na cara e perceber que esses atos sujos não combinam com Cacoal, porque “Cacoal é do bem, Cacoal é do povo”… Tenho dito!!

FRANCISCO XAVIER GOMES
Professor da Rede Estadual e Articulista

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA