DER bloqueia acesso à ponte que ameaça desabar com cheia do rio Jamari em RO

O Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura e Serviços Públicos de Rondônia (DER-RO) precisou bloqueou, nesta semana, o acesso à ponte da cidade de Alto Paraíso (RO), no Vale do Jamari. Dois montes de terras foram colocados nas cabeceiras da ponte para evitar o tráfego de veículos.

Segundo o DER, a ponte foi interditada sob o risco de queda após ficar cinco dias submersa pelo rio e sofrer danos na estrutura. Mas com a diminuição do nível do rio, muitos condutores se arriscaram e fizeram a travessia da ponte.

O engenheiro da 2ª Residência Regional do DER de Ariquemes, Derson Celestino, relatou nesta quarta-feira (13) que fitas foram colocadas nas cabeceiras das pontes para impedir a passagem de veículos, mas que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que as fitas haviam sido retiradas.

“Observamos que a ponte está com problemas de recalque e que teve um afundamento, então ela está interditada por tempo indeterminado. Precisamos colocarmos a terra para poder interditar definitivamente e impedir que passem pelo local para evitar possíveis tragédias”, alertou Derson.

Conforme o engenheiro, para que a ponte seja avaliada, é necessário aguardar o término do período chuvoso, para que o nível do rio tenha uma diminuição significativa e que até lá, o acesso a Alto Paraíso se dará pela RO-457 e RO-458.

“Essas estradas alternativas não estão em boas condições de tráfego por conta das chuvas, mas estamos com equipes na RO-457 para recuperar os pontos mais críticos. Ainda vamos deslocar outras duas máquinas para dar uma assistência total naquela estrada”, finalizou.

Decreto de emergência

Por conta da enchente do rio Jamari e da interdição na RO-459, a prefeitura de Alto Paraíso decretou situação de emergência na cidade. O decreto foi publicado no diário oficial dos municípios (Arom) de segunda-feira (11).

O decreto autoriza a convocação de voluntários para ajudar nas campanhas de arrecadação e que agentes da Defesa Civil entrem nas casas para prestar socorro, determinar evacuação ou efetuar desapropriação em áreas de risco. Além da suspensão das aulas nas áreas atingidas pela enchente. O decreto tem validade de 180 dias. ​

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA