RONDÔNIA – A construção de uma agenda para a Amazônia que promova seu desenvolvimento através de projetos sustentáveis, foi o tema da reunião que ocorreu na Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO), entre seu presidente, Marcelo Thomé, e Louise Caroline Campos Löw, superintendente de Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), nesta segunda-feira, 16.

Na oportunidade, Marcelo Thomé falou da criação do Instituto Amazônia+21, surge para que o debate sobre as questões da Amazônia Legal amplamente discutidas por ocasião do Fórum Mundial Amazônia+21, realizado em novembro de 2020, se torne permanente. “Precisamos conversar, debater sobre este tema, e um dos eixos do instituto é falar da Amazônia que dá certo”, disse.

O presidente da FIERO afirmou que é necessário sair do discurso dos extremos de preservacionismo ou degradação. “Queremos mostrar que existem empreendimentos sólidos em várias regiões da Amazônia Legal, que produzem de forma sustentável”, afirmou. Em Rondônia, Thomé apresentou dois exemplos de empresas que atuam com todas as certificações nacionais e internacionais de sustentabilidade: A Madeflona, a partir da concessão para manejo da Floresta do Jamari e da White Soldier, produtor de estanho.

A superintendente da SUDAM explicou que estas iniciativas devem ser difundidas para o mundo, até para desmistificar a imagem de que a região é só floresta e povos tradicionais. “Pelo contrário, temos grandes cidades, portos, indústrias, e que precisam ser fomentados”, comentou Louise Caroline. “Essa iniciativa que parte da FIERO de apresentar o que a Amazônia já produz é de extrema importância”, ressaltou.

A superintendente explicou que a SUDAM percorrerá os nove estados que compõem a Amazônia Legal para receber direto destes entes as demandas e difundir informações sobre os instrumentos de desenvolvimento regional. O evento “Sudam nos Estados – Diálogos com quem promove o desenvolvimento regional na Amazônia”, iniciou em Rondônia. “A SUDAM deseja coletar subsídios para propor medidas que facilitem o acesso dos estados, municípios, setores produtivos e outros atores aos recursos federais, por meio dos instrumentos de ação da Superintendência”, comentou.

De acordo com Louise Caroline, os dados vão subsidiar a elaboração das Diretrizes e Prioridades do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte-FNO, do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia-FDA e outras ferramentas da SUDAM para fomentar o desenvolvimento includente e sustentável das localidades.