Hospital de Nova Mamoré, RO, volta a funcionar após ficar três anos desativado

hospDepois de ficar mais de três anos desativado, o Hospital Antônio Luiz Macedo, de Nova Mamoré (RO) voltou a funcionar e atender os pacientes das zonas urbana e rural do município, que está localizado a cerca de 300 quilômetros de Porto Velho. A unidade estava inativa desde junho de 2014 e foi completamente reformada e ampliada, tendo o retorno dos atendimentos no final da última semana.

G1 entrou em contato por telefone com o atual prefeito da cidade, Claudionor Leme, nesta quarta-feira (20). Ele explicou que o novo hospital, situado no Bairro Centro, voltou a funcionar na última sexta-feira (15) e atualmente conta com 100 profissionais no quadro efetivo para atender a demanda de pacientes.

Segundo o prefeito, antes do retorno dos atendimentos na unidade, os pacientes eram atendidos no local provisório em uma pousada próxima da rodoviária, porém, a estrutura foi considerada precária e imprópria pela Justiça do Trabalho, que recomendou à prefeitura que o hospital voltasse a fazer os atendimentos já utilizando as novas instalações.

Reforma do hospital e atendimentos

De acordo com a prefeitura, o prédio foi construído em 1978, mas nunca havia sido reformado. Somente em 2014 a estrutura começou a receber manutenção e a ampliação de alguns setores. O valor das obras ficou em torno de R$ 4,5 milhões e foi custeado com recursos do Governo do Estado e uma contrapartida de R$ 450 mil da administração municipal.

A cidade, que tem aproximadamente 29 mil habitantes segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), possui apenas esta unidade para atender a demanda de pacientes da zona urbana e também dos distritos próximos da zona rural, além de um único posto de saúde situado no Bairro Planalto.

Atualmente, os serviços que são oferecidos são: pronto atendimento, internações, medicações, observação e exames laboratoriais.

O hospital ainda não possui centro cirúrgico, raio-x e nem ultrassonografia. Nos casos mais graves, os pacientes acabam sendo encaminhados de ambulância para o Hospital Regional de Guajará-Mirim (RO) ou para a capital, se for necessário.

hosp 1Fonte: G1

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA