sexta-feira, setembro 24, 2021

Justiça determina que homem casado que mantinha relações com outras cinco indenize ex-amante

Imagem de Free-Photos por Pixabay

A 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) resolveu manter a decisão de condenar um homem a indenizar uma mulher com quem se relacionou sem contar que era casado.

Segundo informações do site Conjur, foi fixada uma reparação por danos morais na ordem dos R$ 10 mil. Na ação, a mulher afirma ter iniciado um relacionamento com o réu em julho de 2019, após ter conhecido o sujeito pelas redes sociais em 2014.

Contudo, apesar de terem assumido um  compromisso monogâmico, três meses depois, a autora descobriu que o namorado era casado com outra mulher há anos e também mantinha outras amantes.

Segundo a publicação, nos autos, o réu confessou que mantinha, simultaneamente, relacionamentos com outras seis mulheres. A história acabou exposta no Twitter e viralizou meses depois.

Isso porque os internautas passaram a brincar que o homem teria levado as mulheres com quem se relacionava simultaneamente para assistir ao filme Bacurau em dias e locais diferentes – algo que realmente não aconteceu.

Por causa dessa exposição — feita nas redes sociais pela autora da ação —, ela acabou sendo processada na esfera criminal por injúria e difamação. O caso encontra-se na segunda instância do Judiciário paulista.

Na ação indenizatória, ela disse ter sofrido danos psicológicos com a exposição nas redes sociais, com o procedimento criminal e também pelo comportamento do réu.
Ele “teria sido infiel e teria induzido a autora a manter relações sexuais sem proteção, com risco de contrair doenças”. A indenização foi deferida em primeira instância.

A 5ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP, o réu alegou não ter havido qualquer dever de fidelidade, mas apenas encontros sexuais com a autora. Ele pediu a procedência da reconvenção, afirmando que a autora, diante da repercussão nas redes sociais, teria tido a intenção de prejudicá-lo, abusando da liberdade de expressão.

Contudo, os desembargadores votaram unanimemente por manter a sentença.

O relator do processo na corte, Mathias Coltro, entendeu que a eventual infidelidade conjugal não seria base para a indenização, já que as partes sequer tinham um relacionamento com as características de união estável, “embora lamentável a situação exposta e admitida pelo requerido quanto aos diversos relacionamentos paralelos”.

Mas, para o magistrado, o caso dos autos possui algumas particularidades. “A partir do momento em que os fatos acabaram expostos e com repercussão, além do processo criminal instaurado pelo requerido, sabendo que os fatos narrados pela autora eram verdadeiros, tem-se que os danos morais estão caracterizados”, ponderou.

Coltro também rejeitou o pedido da mulher para aumentar o valor da indenização.

 

Fonte: BNews

Publicação anterior

Advertisment

Outras notícias

Coluna Marisa Linhares 23 de setembro de 2021

CASAMENTO CIVIL Em Campo Grande/MS, na última terça-feira, DIA 21, minha filha caçula FERNANDA LINHARES TRAVENÇOLO se casou no civil com ALEXANDRE PAULITSCH, sócio proprietário...

Prova de vida do INSS precisa ser feita por 37 mil segurados em Rondônia até 2022; veja como

Caiu para 37 mil o número de rondonienses que precisa fazer a prova de vida, segundo levantamento do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)...

Feirante é presa por matar homem a tiros em Porto Velho: ‘Ele vivia me ameaçando’

Uma feirante foi presa nesta terça-feira (21) em Porto Velho suspeita de matar um homem identificado como André Marinho Oliveira, de 36 anos, em...