segunda-feira, dezembro 6, 2021

Levantamento aponta médio risco para infestação do Aedes Aegypti em Cacoal

 

Equipes da Vigilância vistoriando quintais – Foto: Ilustrativa/Divulgação

Conforme o resultado do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti (Lira), encerrado na última sexta-feira (12), a população de Cacoal precisa redobrar os cuidados com os quintais. Isso porque o município está com médio risco para a infestação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da Zika, Dengue e Chikungunya.

De acordo com o coordenador da vigilância ambiental, Flaviano Melo, o lixo doméstico continua sendo o principal criadouro do mosquito.
“O Lira é uma ferramenta do Ministério da Saúde para medir o índice de infestação nos municípios, e Cacoal foi 1.7, que é risco médio e é um sinal de alerta. A população tem que se voltar mais para cuidar de seus quintais. Tudo que acumula água tem que ser retirado. O principal criador foi o lixo doméstico com 78% dos criadouros”, explica.

“Temos que jogar o lixo no lixo, porque a coleta do município é uma coleta regular, portanto, não justifica a população deixar acumular água no quintal”, acrescenta.

Em segundo lugar, no índice de criadouros estão pneus velhos nos quintais, que apontou uma infestação de 15, 2%, seguido por caixas d’ água abertas, representando 3% dos focos.
O levantamento é feito por amostragem em diversos pontos da cidade, que são divididos em quatro estratos que agregam vários bairros em cada um deles. E de acordo com Flaviano Melo, todas as regiões apresentaram índices parecidos de infestação pelo mosquito Aedes aegypti.
“Enfim, temos que eliminar a água do quintal. Se tem água, tem mosquito, se tem mosquito tem vai ter doença”, destaca Flaviano.

Flaviano Melo, Coord. Vigilância Ambiental – Foto: Rogerio Aderbal
CASOS DE DENGUE NOTIFICADOS
No mês de novembro, segundo o coordenador da vigilância ambiental, já foram registrados oito casos positivos de Dengue.
“Agora que está iniciando as chuvas, e se nós não tivermos cuidado poderemos ter uma epidemia de Dengue. Por isso, precisamos ter esse cuidado com cada um fazendo sua parte”.

Melo ressalta que todos os casos positivos notificados da doença foram feitos em laboratórios particulares. “A população não está procurando as unidades de saúde para notificar. É importante a população procurar as unidades básicas de saúde, se tiver febre, dor de cabeça e no corpo, pois quando a população procura é realizado o fumacê nas casas. De repente aparece uma epidemia silenciosa, porque os moradores não estão procurando as unidades de saúde para notificar”, revela.

COMO FUNCIONA O LIRA?

O Lira é uma ferramenta do Ministério da Saúde, que segundo Flaviano Melo, tem uma amostragem de segurança acima de 90%.
“A gente coloca no programa as residências, e ele sorteia as quadras que  tem que ser visitadas. Dessas quadras, a gente visita 20%, totalizando 5% dos imóveis da cidade”, esclarece.
Fonte: Segundonews.com.br
Fotos: Rogerio Aderbal e Divulgação Prefeitura de Cacoal

Veja mais+

- Advertisement -

Veja Mais Notícias