terça-feira, setembro 28, 2021

Operação descobre corrupção, tráfico de influência e sonegação fiscal entre servidores públicos de Cacoal, RO

Policiais investigaram o grupo por cerca de seis meses e o prejuízo causado aos cofres públicos está sendo levantado.

CACOAL – A Polícia Civil realizou nesta sexta-feira (6) uma operação que investiga crimes de corrupção, tráfico de influência e sonegação fiscal praticados por servidores públicos do município de Cacoal (RO), a 480 quilômetros de Porto Velho.

Operação Penanuquet foi realizada em Cacoal, RO — Foto: Polícia Civil/Reprodução

Durante a manhã, a operação Penanuquet cumpriu mandados judiciais na cidade. Segundo a polícia, foram apreendidos diversos documentos que comprovam a fraude e as vantagens indevidas recebidas pelos servidores.

Os policiais investigaram o grupo por cerca de seis meses e o prejuízo causado aos cofres públicos está sendo levantado pela Civil.

O que se sabe até agora:

  • Os servidores faziam a avaliação de imóveis abaixo do valor de mercado para fins de pagamento de Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), que é cobrado pelo município da pessoa que adquire um imóvel;
  • Para cometer a sonegação fiscal, o grupo de servidores ainda cometia o crime de tráfico de influência (quando usa sua posição privilegiada para tirar proveito) corrupção, ativa e passiva;
  • Os crimes dos servidores foram denunciados à polícia pelo prefeito, Adailton Fúria.

Operação Penanuquet investiga servidores de Cacoal, RO — Foto: Polícia Civil/Reprodução

Penanuquet

Segundo a Civil, O nome da operação remonta ao tempo do Egito Antigo, sob os reinados dos Faraós Ramsés IV e Ramsés V, quando o então sacerdote Penanuqet organizou uma rede de funcionários corruptos com o objetivo de desviar os impostos. Penanuqet foi descoberto e castigado.

A operação é conduzida pelo delegado Alexandre Baccarini.

Segundo o delegado, o prejuízo causado ao erário está sendo apurado, “haja vista que o valor do ITBI é um percentual cobrado sobre o valor total da compra do imóvel, no caso de Cacoal 2%”.

As penas dos crimes variam de 2 a 12 anos de reclusão, que somadas podem chegar até 22 anos de reclusão.

Fonte: G1 RO

Publicação anterior

Advertisment

Outras notícias

Operação Iara: PMRO realiza apreensão de quase 30 kg de pirarucu

A Polícia Militar do Estado de Rondônia (PMRO) por meio do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), realizou a apreensão de quase 30 quilos de...

Com dois dias de competição, Copa Vilhena de Vôlei de Praia apresenta disputas de alto nível

Torneio contou com a participação de atletas de diversos municípios e foi base para definir os representantes de Vilhena nos Jogos Intermunicipais de Rondônia Foi...

Adolescente recupera visão após cirurgia realizada pelo projeto “Enxergar” do Governo de Rondônia

Desde 2019, quando iniciou o projeto “Enxergar”, iniciativa do Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), a ação devolveu...