Peste suína clássica erradicada em Rondônia

Peste suína clássica erradicada em Rondônia

porcoO estado de Rondônia está entre as 14 unidades da federação que o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) pretende indicar para reconhecimento internacional como área livre de Peste Suína Clássica (PSC), exigência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para que o produto possa ser exportado. O Mapa analisa positivamente a atuação da Agência de Defesa Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron) no sentido de aumentar a produção e viabilizar a exportação da carne suína, o que pode ocorrer até junho de 2015.

“Já somos livres da peste suína, mas ainda não nos foi concedido o reconhecimento internacional. Por hora nosso reconhecimento se dá a nível nacional”, afirma Fabiano Alexandre, gerente de Inspeção e Defesa Sanitária Animal. Segundo o veterinário, o objetivo agora é ser reconhecido pela OIE – pleito que deve ser apresentado em bloco por todos os Estados brasileiros que hoje fazem parte da zona livre reconhecida nacionalmente.

Segundo o presidente da Idaron, José Alfredo Volpi, “além da exportação de carne bovina, precisamos potencializar a criação de suínos. Isto significa garantir em médio e longo prazo, a exportação, também da carne suína muito consumida em todo o mundo, principalmente na Europa. Daí, a preocupação da Idaron em garantir manutenção do Estado livre da Peste Suína Clássica, reconhecida internacionalmente”, afirma.

Caso estes 14 Estados sejam reconhecidos como livre da doença, o Brasil passará a contar com 16 Estados produtores de suínos livres da peste clássica, reconhecida internacionalmente. São eles: Paraná, São Paulo, Minas, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Bahia, Sergipe, Rondônia, e Acre, além de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A intenção foi anunciada na última sexta-feira (20), em Curitiba, Paraná, durante reunião entre representantes do Mapa e dos órgãos de defesa sanitária estaduais, graças à evolução apresentada pelos estados no atendimento às exigências para o reconhecimento internacional.

De Rondônia, participou do encontro ocorrido nos dias 19 e 20, o veterinário Fabiano Alexandre, da Idaron. Segundo ele, o ministério aguarda até junho quando está prevista a avaliação final dos dados para confecção dos relatórios que serão enviados à Organização Mundial de Saúde Animal.

Fonte: Assessoria

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA