Polícia Civil  volta a fazer busca e apreensão na Rima Táxi Aéreo

PORTO VELHO – A Polícia Civil, através da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas – Draco, unidade da capital, deu início na manhã desta terça-feira à cumprimento de mandados de busca e apreensão, na sede da empresa RIMA- Rio Madeira Táxi Aéreo, bem como na residência de alguns funcionários da empresa, inaugurando a fase ostensiva da denominada “Operação Mendaz”.

As equipes de policiais da Draco, os policiais civis da DECO/MS e servidores da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), numa operação conjunta, cumpriram os mandados de busca e apreensão, no intuito de encontrar material para subsidiar a investigação de falsidade ideológica e outras fraudes nos diários de bordo das aeronaves da empresa – além, de outras irregularidades administrativas durante cumprimento de contrato com o Governo do Estado.

CUMPRIMENTO DAS MEDIDAS CAUTELARES.

A ação desta manhã é resultado da investigação materializada no Inquérito Policial nº 022/2017-Draco, que teve início a partir da apreensão de materiais no cumprimento das medidas cautelares exauridas na operação Pouso Forçado, em abril deste ano. Ao analisar os documentos apreendidos, os policiais civis encontraram fotocópias de páginas de diários de bordo, as quais, cotejadas com as páginas originais, indicavam adulterações nas horas de voo.

A normativa que regula o preenchimento dos diários é taxativa quanto à imprescindibilidade das informações e dados referente aos voos e jornada de número de horas e ciclos para a manutenção e inspeção das aeronaves. As informações fidedignas sobre o lançamento de horas e ciclos no Diário de Bordo, mantêm a condição de navegabilidade das aeronaves, de forma que o retardo em suas manutenções faz com que fujam da inspeção no tempo devido e naveguem em condições não seguras.

CONDUTAS CRIMINOSAS E RESPONSABILIZAÇÃO CRIMINAL

A investigação busca identificar os responsáveis pela adulteração nos livros de diários de bordo, bem como verificar outras possíveis falsidades e fraudes perpetradas pelos servidores e responsáveis da empresa.

Com o material apreendido na data de hoje, a ANAC, na seara administrativa e a Polícia Judiciária, por meio dos peritos criminais – poderão confrontar as informações prestadas nos documentos apreendidos.

O NOME DA OPERAÇÃO

O adjetivo MENDAZ em um de seus significados é mentiroso ou falso, o que remete às informações lançadas em livros Diários de Bordo apreendidos.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA