Produção de leite vai melhorar em Porto Velho

veterinarioO médico veterinário Carlindo Filho, que coordena o Projeto Integrado para a produção de leite, pirarucu e açaí, na fazenda Bentevi numa área de 250 hectares localizada no km 15 da BR 346 em direção ao Acre, assegurou ao participar do programa “Campo e Lavoura” levado ao ar pela rádio Globo no sábado (11) das 6h às 7h, que no projeto consta a montagem de um laticínio para beneficiar 100 mil litros de leite/dia em Porto Velho.

Segundo Carlindo Filho, um grupo de empresários bem-sucedidos em Porto Velho organizará uma Cooperativa de leite que vai funcionar junto ao Projeto Integrado inicialmente beneficiando de 10 a 100 mil litros de leite/dia, com previsão de entrar em funcionamento no mês de junho. É um projeto privado que conta com o apoio do governador Confúcio Moura, acentuou o médico veterinário.

“Trabalhando com animais que apresentam garantia de genética, a cadeia produtiva começa pela qualidade para finalizar na mesa do consumidor, com as pessoas felizes nas cidades, é o campo mais uma vez dando as respostas para as crises”, projeta Carlindo Filho.

É um projeto inteligente envolvendo iniciativa privada, Estado e prefeitura, sem preconceito, onde os pequenos produtores de leite do município de Porto Velho podem participar da cooperativa que já está nascendo grande. De acordo com Carlindo Filho, ali numa área de 8,5 hectares serão mantidas 10 vacas produzindo entre 08 a 10 litros de leite/dia em regime de pasto.

Pirarucu

Sem entrar em detalhes o veterinário explicou que uma grande empresa exportadora de pescado sediada no Estado de São Paulo, projeta exportar a pele e a carne do pirarucu produzido de maneira sustentável valorizando o produto amazônico, principalmente para os Estados Unidos. Assim, 50 produtores com um tanque de lona e um tanque escavado com 25 mil peixes para engorda servindo de referência, serão 300 mil pirarucus produzindo 30 toneladas de carne de primeira qualidade. É sempre bom lembrar que os produtos sustentáveis da Amazônia são bem recebidos no exterior.
Dois frigoríficos com recursos privados estão projetados para o beneficiamento de peixes com destaque para o pirarucu. Um em Porto Velho e outro em Itapuã do Oeste, tudo dentro do que determina a legislação.

Açaí

O Projeto Integrado foi proposto, estudado e testado para não se jogar na natureza a água e os resíduos deixados nos tanques pelos pirarucus aproveitando essa água, que passa por um processo de decantação antes de ir para as plantas. Os sais minerais, nitrogênio, potássio e fósforos as plantas aceitam naturalmente como adubos para fortalecer o capim, as lavouras de milho, mandioca e hortaliças sem prejudicar o meio-ambiente.

Na atualidade em Porto Velho, calcula-se que existam pouco mais de 300 hectares cultivadas com açaí. O Projeto Integrado prevê o plantio de dois mil hectares transformando o produto em pó para comercializar no exterior, como mais um produto sustentável da Amazônia.

Fonte: Diário da Amazônia

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA