Produtor rural pode reduzir gastos em 50%

hortaDos dias 27 a 30 deste mês acontece em Ji-Paraná, no parque de Exposições Hermínio Victoreli, a 4ª edição da Feira de Tecnologias e Oportunidades de Negócios Agropecuários – Rondônia Rural Show, que é organizada pelo governo do Estado, através da Secretária de Estado da Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento e Regularização Fundiária (Seagri). Além da oportunidade de ter contato com equipamentos tecnológicos, palestras e workshops com vistas a trazer melhoria na produção do agronegócio, os produtores também serão prestigiados mais um vez com o projeto Vitrine Tecnológica.

A vitrine fica instalada em uma área de 1,2 mil metros quadrados. O espaço é voltado à demonstração de tecnologias disponíveis para a transferência de conhecimento sobre plantações. Além de já contar com a exposição dos plantios de milho, maracujá, banana e abacaxi, a organização do evento traz, neste ano, em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater), a demonstração de como se faz para implantar e cultivar a horta agroecológica.

De acordo com Gilmar Rodrigues, extensionista da Emater e responsável pela apresentação do projeto, o produtor que fizer opção pelo modelo de horta diminuirá os gastos para a produção em até 50%.

“Nós iremos instruir os produtores que almejam entrar para o ramo, em como proceder para produzir alface nos canteiros, utilizando adubos orgânicos o que irá abrir uma nova oportunidade de negócio, assim como ter produtos sem agrotóxicos, que influi na qualidade da alimentação”, destacou.
Enquanto nas hortas convencionais se espera no máximo 20 dias para colher os produtos, na Horta Agroecológica o tempo pode ultrapassar os 40 dias. Por isso, o modelo começou a ser preparado há 20 dias, para que nos dias da feira já esteja produzindo.

Procedimento

“Nós plantamos nos canteiros os dois tipos de alface mais comuns da nossa região, e que são de fácil comercialização que é o repolhado (roxo) e o glorioso (verde), e também cebolinha. Nós plantamos nos canteiros debaixo da estufa e fora, para ensinarmos como é o procedimento em cada um desses locais, e como o produtor fará para produzir nos períodos de seca e também das chuvas” esclareceu Gilmar.

“A ideia aqui é mostrar ao produtor que ele consegue produzir agroecologicamente, utilizando os produtos naturais que ele tem à sua disposição na propriedade, sem precisar ir atrás de produtos químicos, que só aumentam os gastos e nenhum beneficio traz à saúde”, finalizou Gilmar.

Fonte: Diário da Amazônia

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA