Professores encerram greve da Unir

UnirOs professores da Universidade Federal de Rondônia (Unir) decidiram em assembleia realizada na quarta-feira (14) retomar as atividades na próxima segunda-feira (19). Após quatro meses de paralisação das atividades, a Unir e a Associação dos Docentes da Universidade Federal de Rondônia (Adunir), agora estudam como será feita a reposição das aulas com um novo calendário acadêmico para os que aderiram à greve.

O calendário do ano letivo de 2015 não foi suspenso, principalmente porque havia professores que estavam dando aulas neste período de greve “como têm setores que paralisaram e tem que não paralisaram, o calendário continua valendo e ao final da greve a gente faz um novo calendário dos setores que paralisaram, de tal maneira que eles vão se encontrar mais a frente”, explicou Jorge Coimbra pró-reitor de graduação da Unir.

Segundo ele, já está tramitando uma proposta de readequação no conselho da universidade “o conselho vai se manifestar, fazendo emenda ou não e aí as atividades acadêmicas vai se enquadrar nesse calendário”, ressaltou Jorge. Alguns professores que não aderiram à greve deram aulas nos horários de outros professores que não estavam trabalhando “os espaços sem aula, alguns setores deram aulas mais concentradas. E agora aqueles que não deram aula eventualmente vão aproveitar os espaços dos que já deram aula”, afirmou o pró-reitor.

O presidente da Adunir, Luiz Carlos Cavalcante de Albuquerque, informou que o novo calendário seria definido em reunião ocorrida ontem “nós vamos discutir isso hoje, tem que ver o número de dias letivos que faltam, que ficaram paralisados, para contabilizar, porque tem que ser em cima do calendário normal anual”, disse.

Técnicos terão direito à liberação para mestrado

A greve de forma geral foi vitoriosa mesmo sem ter sido atendida em alguns pontos reivindicados “nós não fomos atendidos na maioria daquilo que nós almejávamos, mas numa boa parte, então nós entendemos que o movimento continua, a mobilização vai continuar, nós discutiremos a questão dos cortes de orçamento dentro das universidades e dentro dos sindicatos, isso continua, nós só saímos da greve”, alertou Luiz Carlos.

Os professores e funcionários receberam reajuste salarial de 10,8% a ser pago metade no mês de agosto do ano que vem e a outra metade em janeiro de 2017 “eles diziam que dariam 0% de aumento para os professores nós conseguimos 10,8 %, foi solicitado 48%”, afirmou o presidente da Adunir.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Fundação Universidade Federal de Rondônia (Sintunir) comunicou que os funcionários voltaram a trabalhar no dia 9. Além do reajuste salarial receberam 22,8% de aumento nos benefícios de alimentação e saúde. O auxílio-creche, que era de 60 reais passou para 315 reais. Além disso, a partir de janeiro ainda receberão 0,1% de reajuste “o step é o ajuste que você pega anualmente, vai ser 0,1% todo ano em cima do vencimento do servidor”, informou Evaldo Lopes, presidente do Sintunir. Segundo ele, os técnicos também adquiriram o direito à liberação para qualificação para mestrado.

Fonte: Diário da Amazônia

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA